Translate, traduzir

Massacres religiosos

Livres dos Fardos Religiosos

 

Impróprio para crianças. Relatos de fatos extremamente violentos retirados do Antigo Testamento.

 

Já falamos sobre assassinatos, martírios, matanças, genocídios e infanticídios religiosos. Essa mensagem é uma espécie de complemento, onde aprofundaremos mais nesse tenebroso e sangrento labirinto religioso.

 

Jacó, um dos patriarcas de Israel, tinha uma filha chamada Diná. Certa vez, ele e a sua família foram morar em Siquém, na terra de Canaã, perto dos heveus. (Gênesis 33.18-19.) [1] Diná, então, resolveu fazer uma visita a algumas moças daquela terra. Um homem chamado Hamor era o chefe daquele lugar. Ele tinha um filho que se chamava Siquém. Esse, vendo Diná, a pegou e a estuprou. Quando os seus irmãos ficaram sabendo que sua irmã tinha sido violentada sexualmente, ficaram indignados e furiosos. Então, armaram um plano para se vingarem. “Simeão e Levi, irmãos de Dina, pegaram as suas espadas, entraram na cidade sem ninguém notar e mataram todos os homens. E Hamor e Siquém também foram mortos. Em seguida, Simeão e Levi tiraram Dina da casa de Siquém e saíram. Depois da matança, os outros filhos de Jacó roubaram as coisas de valor que havia na cidade para se vingar da desonra da sua irmã. Eles levaram as ovelhas e as cabras, o gado, os jumentos e tudo o que havia na cidade e no campo. Tiraram das casas todas as coisas de valor e levaram as mulheres e as crianças como prisioneiras.” (Gênesis 34:1-31. O texto entre aspas, versos 25 a 28, é da NTLH) [2]

 

 

image

Descrição: Do Velho Testamento corre sangue. Data: abril/2014.  Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

Quanta selvageria!  Mataram um monte de gente, roubaram e aprisionaram mulheres e crianças. Cometeram um monte de maldades em cima de muitas pessoas inocentes por causa da maldade de um só homem. Dum lado, um estupro. Do outro, assassinatos em série, roubos e rapto de mulheres e crianças. O que foi pior?  Por favor, não siga esses maus exemplos dos filhos desse patriarca do povo de Israel. Cuidado com essa idéia de que a Bíblia é a perfeita e infalível palavra de Deus, nos dando a impressão de que tudo nela é puro e santo. Mas dela corre sangue, muito sangue carmesim.

 

Massacres são as mortes cruéis de pessoas ou animais. Como vimos, os filhos de Jacó, com suas espadas, massacraram os homens da cidade de Siquém. [3] Infelizmente esse não foi o único caso registrado na Bíblia. Encontramos nela muitos exemplos desse mal terrível.

 

Certa vez, quando os hebreus estavam acampados no deserto do Sinai, Moisés, o líder deles, subiu ao monte Sinai algumas vezes para buscar a Deus. (Êxodo 19.) [4] Numa das vezes que ele foi pro monte, demorou muito lá em cima, e o povo perdeu a paciência e mandou o seu irmão Harão construir um bezerro de ouro. Eles idolatraram a estátua do bezerro com festas e rituais como se ela fosse deus.  Moisés, descendo do monte, vendo tudo aquilo, ficou irado. Quebrou as tábuas de pedra onde estavam escritas as leis para o povo. Queimou o bezerro e o transformou em pó. Esse pó ele colocou na água e fez o povo beber. Em seguida, disse: “Cada um ponha a sua espada sobre a sua coxa; e passai e tornai pelo arraial de porta em porta, e mate cada um a seu irmão, e cada um a seu amigo, e cada um a seu próximo. E os filhos de Levi fizeram conforme a palavra de Moisés; e caíram do povo, aquele dia, uns três mil homens.” (Êxodo 32. O texto entre aspas, versos 27 e 28, é da RC.) [5]

 

Não siga esse mau exemplo do povo de Israel e de Moisés. Não caia na idolatria. Mas também não perca o controle a ponto de sair quebrando tudo e, o pior, cometendo assassinatos em massa. Naqueles tempos tenebrosos, as coisas eram resolvidas dessa forma. Mas não deve ser assim. Não podemos tentar consertar um mal com outros males.

 

A Bíblia mostra uma série de massacres como:

 

    Massacre dos amalequitas no tempo de Josué. “E, assim, Josué desfez a Amaleque e a seu povo a fio de espada.” (Êxodo 17:13, RC.) [6]

    Cananeus do reino de Arade. Esses, juntamente com as suas cidades, foram totalmente destruídos. (Números 21:1-3.) [7]

    População de Jericó.  “E tudo quanto na cidade havia destruíram totalmente a fio de espada, desde o homem até à mulher, desde o menino até ao velho, até ao boi e gado miúdo e ao jumento.” (Josué 6:21, RC.) [8]

    Habitantes de Ai. Os hebreus puseram fogo nessa cidade e mataram cerca de doze mil pessoas entre homens e mulheres, e o seu rei foi enforcado. (José 8.) [9]

    Amorreus. Josué e o seu povo massacraram os amorreus e matou os cinco reis deles. Em seguida, penduraram os cadáveres deles em cinco postes. (Josué 10:1-27.) [10]

    Moradores das cidades do sul de Canaã. Tudo que tinha fôlego em Maqueda, Libna, Laquis, Eglom, Hebrom, Debir, tudo foi destruído totalmente. (Josué 10.28-43.) [11]

    População das cidades do norte de Canaã.  O povo de Hazor, Madom, Sinrom, Acsafe, região montanhosa do norte, vale do Jordão, sul do lago da Galiléia, planície e litoral, perto de Dor, cananeus dos dois lados do rio Jordão, amorreus, heteus, perizeus, jebuseus da região montanhosa e os heveus, que viviam ao pé do monte Hermom, na terra de Mispa, todos foram massacrados com os seus reis. (Josué 11.) [12]

    Cananeus e perizeus. As pessoas das tribos de Simeão e de Judá mataram cerca de dez mil cananeus e perizeus. (Juízes 1.1-4.) [13]

 

image

Descrição: Massacre no livro dos Juízes. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

    População da cidade de Jerusalém. “Os homens de Judá atacaram Jerusalém e a conquistaram. Mataram os seus moradores e puseram fogo na cidade.” (Juízes 1.8.) [14]

    Cananeus de Hebrom e Debir. O pessoal da tribo de Judá, sob o comando de Calebe, derrotou essas cidades. (Juízes 1.10-12.) [15]

    Cananeus de Zefate.  As tribos de Judá e Simeão atacaram os cananeus da cidade de Zefate, destruindo-a completamente.  (Juízes 1.17.) [16]

    Habitantes de Betel. As tribos de Efraim e Manassés atacaram Betel, provocando mais uma carnificina. (Juízes 1.23-25.) [17]

    Moabitas. Os hebreus, sob o comando do juiz Eúde, mataram cerca de dez mil moabitas. (Juízes 3.29-30.) [18]

    Filisteus. O juiz Sangar matou seiscentos filisteus com um ferrão de tocar bois. (Juízes 3.31.) [19]

    Exército de Sísera. Sob o comando do juiz Baraque, os hebreus massacraram o exército do rei Jabim. Sísera, o comandante, fugiu e se escondeu em uma barraca, onde ficou até adormecer. Uma mulher pegou um martelo e uma estaca da barraca, entrou de mansinho e fincou a estaca na cabeça dele. (Juízes 4.4-24.) [20]

    Orebe e Zeebe. Na época de Gideão, os hebreus mataram dois príncipes dos midianitas. Assassinaram Orebe numa pedra e Zeebe num tanque de esmagar uvas. Em seguida, cortaram a cabeça de cada um deles e as levaram para Gideão. (Juízes 7.25.) [21]

    Homens de Penuel.  Gideão e os seus trezentos homens derrubaram a torre de Penuel e assassinaram os homens daquela cidade simplesmente porque eles não quiseram dar comida para eles. [22]

    Filhos de Gideão. Abimeleque, filho de Gideão com uma concubina da cidade de Siquém e um bando de homens ociosos e levianos foram para a casa do seu pai em Ofra, onde viviam seus parentes e ali, em cima de uma só pedra, ele matou os seus setenta irmãos filhos das muitas mulheres que Gideão tinha. (Juízes 8.30-31; 9.1-5.) [23]

    Moradores de Siquém.  Abimeleque e os seus homens mataram a população de Siquém. Muitos se refugiaram numa grande torre. Mas eles botaram fogo na torre, onde morreram mil homens e mulheres queimados e sufocados pela fumaça. (Juízes 9.42-49.) [24]

    Amonitas. Jefté provocou uma grande mortandade em vinte cidades dos amonitas. (Juízes 11.33.) [25]

    Efraimitas.  Numa contenda tola entre a tribo de Efraim e Jefté, 42 mil pessoas foram degoladas na travessia do rio Jordão. (Juízes 12.) [26]

    Filisteus de Ascalom. Sansão havia dito um enigma para os filisteus, prometendo dar para eles trinta túnicas de linho e trinta mantos, caso eles dessem a resposta certa. Astuciosamente, eles descobriram a resposta, e Sansão, para cumprir a promessa, foi até a cidade de Ascalom, matou trinta homens dos habitantes, tomou os despojos, e deu as roupas aos que decifraram o enigma. (Juízes 14.12-20.) [27]

    Esposa e família da esposa de Sansão e centenas de filisteus. Sansão pôs fogo nas plantações de trigo dos filisteus porque o seu sogro havia dada a sua mulher para outro homem. Então, os filisteus queimaram a mulher de Sansão e a família dela. E Sansão contra-atracou matando muitos deles. Depois foi preso e amarrado com cordas. Mas ele arrebentou as cordas, pegou uma queixada de jumento e matou mais mil homens. (Juízes 15.5-17.) [28]

    Mais filisteus no tempo de Sansão. O juiz Sansão foi preso pelos filisteus e levado para um templo. Ali ele recobrou suas forças e derrubou o templo sobre ele e sobre todos que estavam lá, cerca de três mil pessoas entre homens e mulheres. Foi um ataque suicida. (Juízes 16.18-30.) [29]

    Sidônios da cidade de Laís. Os hebreus da tribo de Dã atacaram Laís, uma cidade de povo pacífico e calmo, mataram os seus moradores e queimaram a cidade. (Juízes 18.27.) [30]

    Milhares de hebreus numa guerra civil. Por causa de um abuso sexual praticado por alguns homens da tribo de Benjamim, foi desencadeada uma guerra civil em Israel. A tribo de Benjamim matou vinte e dois mil homens no primeiro ataque dos seus compatriotas hebreus. No segundo ataque, mais dezoito mil. No terceiro ataque, mataram mais ou menos trinta hebreus. Todavia, os hebreus das demais tribos mataram vinte e cinco mil e cem homens de Benjamim. Depois, atacaram o resto dos benjamitas e mataram mais homens e animais, e destruíram tudo o que encontraram, além de queimarem todas as cidades da região. (Juízes 19 e 20.) [31]

    Moradores da cidade de Jabes-Gileade. Doze mil homens foram enviados para essa cidade com a ordem de matar todos os homens, mulheres não virgens e crianças de lá e raptar as virgens. E assim aconteceu. (Juízes 21.1-12.) [32]

    Israelitas. Os hebreus saíram para lutar contra os filisteus. Esses mataram mais ou menos quatro mil soldados e, depois, mais trinta mil. (1 Samuel 4.1-10.) [33]

    Amalequitas no tempo de Saul. Esse rei massacrou todos os homens, mulheres e crianças amalequitas, deixando vivo apenas o seu rei. Esse também foi despedaçado pelo profeta Samuel. (1 Samuel 15.1-9 e 33.) [34]

    Oitenta e cinco sacerdotes em Nobe. Sob ordens do rei Saul, Doegue matou oitenta e quatro sacerdotes. (1 Samuel 22.18.) [35]

    Homens, mulheres, meninos, criancinhas de peito e animais de Nobe. Ainda sob o comando do rei Saul, os hebreus mataram homens, mulheres, meninos, criancinhas de peito, bois, jumentos e ovelhas de Nobe. (1 Samuel 22.19.) [36]

    Gesuritas, gersitas e amalequitas. Davi atacou esses povos não deixando com vida nem homem nem mulher. (1 Samuel 27.8-9.) [37]

    Amalequitas por meio de Davi. Os amalequitas atacaram e queimaram a cidade de Ziclague ao sul de Judá, levando a população como prisioneiros. Davi e os seus homens passaram uma noite e um dia matando amalequitas para revidar. (1 Samuel 30.1-17.) [38]

    Saul, seus filhos e todos os seus homens. Os filisteus derrotaram o exército de Saul realizando uma grande matança, incluindo Saul e os seus filhos Jônatas, Abinadabe e Malquisua. (1 Samuel 31.1-6.) [39]

    Vinte e quatro soldados em um duelo. Um grupo de doze homens que estava do lado de Isbosete, filho de Saul, mais um grupo de doze que estava do lado de Davi fizeram um duelo enterrando suas espadas nuns aos outros. (2 Samuel 2.1-16.) [40]

    Soldados comandados pelo general Abner mais vinte soldados comandados por Davi. Os soldados de Davi, numa guerra civil, batalharam contra os homens comandados pelo general Abner, que lutavam a favor de Isbosete. Dezenove homens de Davi mais Asael e mais trezentos e sessenta homens de Abner foram massacrados.  (2 Samuel 2.17-31.) [41]

    Jebuseus. Davi atacou os jebuseus e tomou a cidade de Jerusalém. (2 Samuel 5.6-9.) [42]

    Filisteus no tempo de Davi. Os filisteus tentaram atacar Davi, mas ele derrotou esses homens. (2 Samuel 5:17-25.) [43]

    Moabitas. Davi dominou os moabitas, mandando eles se deitarem no chão. Em seguida, matou dois terços deles e escravizou o restante. (2 Samuel 8.2.) [44]

    Exército do rei de Zoba.  Davi derrotou as forças desse rei quando ele tentava reconquistar suas terras perto do rio Eufrates. (2 Samuel 8.3.) [45]

    Sírios de Damasco. Os sírios vieram socorrer o rei de Zoba e também foram massacrados, morrendo vinte e dois mil homens.  (2 Samuel 8.5.) [46]

    Edomitas. Davi matou também dezoito mil pessoas de Edom no Vale do Sal. (2 Samuel 8.13; 1 Reis 11:15-16.) [47]

    Sírios. “Davi e os seus soldados mataram setecentos soldados que guiavam carros de guerra e quarenta mil cavaleiros sírios. “(2 Samuel 10.18, NTLH.) [48]

    Amonitas. Joabe, comandante do exército do rei Davi, com os seus homens, destruíram o povo de Amom (2 Samuel 11.11; 1 Crônicas 20:1.) [49]

    Hebreus durante a guerra civil provocada por Absalão. Quando Absalão, filho de Davi, provocou uma rebelião, foram mortos vinte mil homens. (2 Samuel 18.7.) [50]

    Sete pessoas descendentes do rei Saul. Davi entregou para os gibeonitas sete pessoas da família de Saul para serem enforcadas para que a fome pudesse cessar em Israel. (2 Samuel 21.1-9.) [51]

    Parentes e amigos de Elá. Zinri matou o rei Elá de Israel e reinou em seu lugar. Em seguida, matou todos os homens parentes e amigos de Elá. (1 Reis 16.8-11.) [52]

    Quatrocentos e cinquenta profetas de Baal. O profeta Elias mandou prender todos esses profetas que foram mortos em um riacho. (1 Reis 18.1-40.) [53]

    Mais sírios. Num só dia, os hebreus (israelitas) mataram cem mil sírios. Isso dá 4.166 mortes por hora, 69 por minuto e 1 morte a cada segundo. Impressionante! (1 Reis 20.29.) [54]

    Setenta filhos do rei Acabe. Jeú, rei de Israel, mandou as autoridades de Samaria assassinar os setenta filhos do antigo rei Acabe. (2 Reis 10.1-8.) [55]

    Parentes de Acabe, autoridades do seu governo, amigos íntimos e sacerdotes.  “Jeú mandou matar todos os outros parentes de Acabe que moravam em Jezreel e também todas as autoridades do seu governo, amigos íntimos e sacerdotes.” (2 Reis 10.11, NTLH.) [56]

    Parentes do falecido rei Acazias de Judá. Quarenta e dois parentes do rei Acazias foram mortos perto de um poço. (2 Reis 10.14.) [57]

    Parentes de Acabe em Samaria. Jeú ainda matou os parentes do antigo rei Acabe que viviam em Samaria. (2 Reis 10.16-17.) [58]

    Profetas, adoradores e sacerdotes de Ball. Jeú armou uma cilada e conseguiu eliminar quem era da religião de Baal. (2 Reis 10.19-28.) [59]

    Netos de Atalia. No reino de Judá, quando Atalia, a mãe de Acazias, soube do assassinato do seu filho, também promoveu uma chacina. Mandou matar todos os seus netos e tornou-se a rainha de Judá. E a rainha, a sua avô, também foi morta. (2 Reis 11.) [60]

    Oficiais assassinos. “Assim que se firmou no poder, Amazias mandou matar os oficiais que haviam assassinado o seu pai, o rei Joás.” (2 Reis 14.5; 2 Crônicas 24.17-26.) [61]

    Edomitas. Assim como Davi, Amazias, rei de Judá, também matou dez mil edomitas no Vale do Sal. (2 Reis 14.7.) [62]

    Rei Amom e seus oficiais conspiradores. “Os oficiais do rei Amom fizeram uma revolta contra ele e o mataram no palácio. Mas o povo de Judá matou todos os que haviam feito a revolta contra Amom e pôs o seu filho Josias no trono.” (2 Reis 21.23-24, NTLH.) [63]

    Sacerdotes pagãos. O rei Josias de Judá matou todos os sacerdotes pagãos sobre os altares onde eles realizavam seus sacrifícios. (2 Reis 23.20.) [64]

    Hagarenos. Na época do rei Saul, a tribo de Rúben atacou e matou os hagarenos. (1 Crônicas 5:10.) [65]

    Israelitas do tempo do rei Abias. Numa guerra civil entre Abias e Jeroboão, houve um massacre de quinhentos mil homens. (2 Crônicas 13:17-18.) [66]

    Irmãos do rei Jeorão e altas autoridades de Israel. “Quando se tornou rei, Jeorão se firmou no poder e então mandou matar todos os seus irmãos e também algumas das altas autoridades de Israel.” (2 Crônicas 21:4, NTLH.) [67]

    Soldados do exército do rei Acaz. Peca, rei de Israel, matou cento e vinte mil soldados do exército do rei Acaz de Judá. (2 Crônicas 28:6.) [68]

 

Foram mostrados aqui mais de sessenta massacres, todos na Bíblia, no Antigo Testamento. Muitos teólogos se defendem dizendo que foi justiça de Deus contra aqueles que andavam nos maus caminhos. Mas, na verdade, não vemos os hebreus andando em bons caminhos. Então, como eles, com os olhos cheios de ciscos, puderam julgar os erros dos outros com esses massacres?

 

Vendo os ensinos de Jesus, percebemos que ele foi contra todo tipo de violência. Mas com o tempo, a cristandade preferiu seguir os maus exemplos dos hebreus do passado e promoveram muitos massacres pelo mundo. Uma grande hipocrisia, ver o mundo, dito civilizado e cristianizado, fazendo correr muito sangue.

 

Evangelizar o mundo não é sair por ai construindo igrejas, impondo regras, doutrinas, dogmas, liturgias, rituais e exaltando os homens do Antigo Testamento, exigindo que as pessoas sigam a Bíblia de capa a capa, mas é ensinar ao mundo como viver no caminho do bem, longe de toda espécie de maldade, seguindo o exemplo de Cristo. Jesus pregou a vida e não a morte. Evangelizar é, pois, defender a vida.

 

Precisamos mudar os rumos da história do mundo. Se os homens continuarem idolatrando a Bíblia, o nosso planeta azul continuará manchado de sangue humano. Chega dessa selvageria em nome de Deus. Vamos deixar essa bibliolatria veterotestamentária de lado. Enquanto houver pessoas idolatrando esse livro sagrado, haverá mortes...

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2014. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br