Sectarismo

Livres dos Fardos Religiosos

 

Na entrada de um templo, havia uma placa dizendo que aquela igreja institucionalizada era a única igreja verdadeira. O adjetivo única repelia qualquer outro grupo. Felizmente, um dos seus líderes, vendo que ela possuía dizeres carregados de sectarismo, resolveu retirá-la.

 

 

image

Descrição: Sectarismo eclesiástico. Data: novembro/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

Sectarismo é a atitude daquele que é sectário. [1] Sectário é a pessoa que segue e defende cegamente a sua religião ou igreja com fanatismo, obstinação e intolerância, não aceitando opiniões diferentes. [2]  É um mal que tem atingido diversas religiões do mundo. A pessoa nessa situação acredita que a sua religião ou igreja é a mais perfeita e trata as demais com desprezo.

 

    No século III, o bispo Cipriano de Cartago, na sua epístola 72, 21, disse que “não há salvação fora da Igreja”. [3] Na sua epístola 61, 4, disse que “não pode haver salvação para ninguém, exceto na Igreja”. [4] Como Cipriano era do grupo dos católicos, então, essa idéia acabou virando uma espécie de dogma do catolicismo.

 

    No século IV, Atanásio, bispo e Doutor da Igreja, teria escrito um credo, onde diz que “todo aquele que quiser ser salvo, antes de tudo, é necessário que ele mantenha a fé católica.” [5], [6]

 

    No início do século XIII, o papa Inocêncio III, se referindo à Igreja Católica, disse que fora da qual ninguém está salvo. [7]

 

    Ainda no século XIII, em 1215, no Canon 2 do IV Concílio de Latrão ficou declarado: “Há uma Igreja universal dos fiéis, fora da qual não há absolutamente nenhuma salvação.” [8]

 

    O Terceiro Catecismo da Doutrina Cristã do papa Pio X (1903-1914) declara: “Fora da Igreja Católica, Apostólica, Romana, ninguém pode salvar-se, como ninguém pôde salvar-se do dilúvio fora da arca de Noé, que era figura desta Igreja.” [9], [10]

 

Muitos outros líderes da Igreja fizeram declarações semelhantes. [11], [12], [13] Por isso, mesmo vendo os desvios absurdos do catolicismo, muitos continuam defendendo essa crença, pois entendem que, sem essa instituição, estarão perdidos. Felizmente, nem todos católicos levam essas declarações com seriedade e sabem respeitar outros grupos religiosos.

 

Depois do século XVI, após a Reforma protestante, diversas pessoas entenderam, diante de tantas coisas erradas, que a Igreja Católica não era a única arca de Noé, e novas igrejas foram surgindo ao longo dos séculos. Todavia, muitas, também com espírito de sectarismo, têm cultivado essa mesma idéia. Encontramos pessoas que acham que sua igreja é a melhor, a mais perfeita, a preferida de Cristo ou coisa semelhante. Por isso, muitos defendem sua instituição eclesiástica com “unhas e dentes”, não aceitam críticas, não toleram idéias diferentes e têm o desejo de ver o fim de outros grupos religiosos. Sentindo-se donos exclusivos da verdade, não hesitam em denegrir qualquer outra religião, igreja, doutrina ou opinião diferente. Carregado de intolerância, têm o desejo de ver o seu grupo triunfar sobre todo o mundo. Com sectarismo ferrenho, acham que qualquer outro grupo é uma nova seita, uma “barca furada”, enquanto a sua igreja ou religião é uma arca de Noé imponente, triunfante, sobre esse mar de crenças e doutrinas.

 

Será que existe alguma instituição religiosa que é dona exclusiva dos conhecimentos divinos. Será que alguma é a única aprovada por Deus para ser a legítima porta para a salvação? Não! Qualquer declaração tentando legitimar alguma instituição religiosa nesse sentido é puro sectarismo.

 

O evangelho de Jesus não é um partido religioso, mas um estilo novo de vida. Não é uma placa religiosa, mas uma mudança de vida, onde cada pessoa deve trilhar o caminho das virtudes, procurando fugir de tudo que não edifica, de tudo que possa ser prejudicial.

 

Viva a sua fé, a sua religião, a sua igreja, as suas doutrinas... Mas, por favor, sem sectarismo. Isso apenas cria mal-estar, descontentamentos, ódio, brigas, dissensões...

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br