Translate, traduzir

Pedofilia religiosa

Livres dos Fardos Religiosos

 

Enquanto a Igreja se preocupa com o celibato, que é uma lei que proíbe que os sacerdotes se casem, tendo sua própria mulher e filhos, que poderiam ser criados dentro dos bons princípios do verdadeiro evangelho, a pedofilia anda solta nos bastidores eclesiásticos. Dessa forma, inflamados em seus prazeres eróticos obscenos, em vez de abençoarem os pequeninos, os destroem.

 

Pedofilia é a é a perversão sexual, na qual, adultos ou adolescentes sentem atrações sexuais por crianças. [1], [2]

 

Parece que mentes pedófilas já vêm atuando, há muito tempo, no seio da igreja. Sabemos que a Igreja Católica tem enfrentado milhares de casos de pedofilia. Relatórios da junta Nacional da Revisão informaram que de 1950 a 2002, foram acusados 4.392 padres de abuso sexual de 10.667 menores. Cerca de 6.700 casos tiveram provas. [3], [4], [5] Ao longo dos anos, novos casos têm surgido. Por que acontecem tantos casos dessa maldade numa única instituição? Será que lá não existe algum estímulo para isso? Parece que existe sim.

 

Encontramos várias obras de arte religiosas, onde os anjos foram representados em forma de crianças nuas. Um anjinho nu segurando um instrumento de cordas pode ser visto numa pintura do artista italiano Giovanni Battista Salvi da Sassoferrato (1609-1685). [6] O pintor espanhol Bartolomé Esteban Murillo (1617–1682) em estilo barroco, mostrou a Imaculada Conceição, maculada pela pornografia angelical infantil ao seu redor. [7] O pintor belga Louis Ricquier (1792-1884) não deixou por menos e representou a Assunção de Maria rodeada de anjinhos totalmente despidos. [8] A Assunção de Maria também foi retratada com pornografia infantil na arte de Francisco Morales. [9] A Santa Rosa de Lima do Peru, na arte de Claudio Coello (1642-1693) aparece muito bem vestida, pois ela era uma monja dominicana. Mas as criancinhas angelicais peladinhas estão por lá também. [10]

 

 

clip_image002

Descrição: Mosaico mostrando Eros e Psiquê. Data da foto: 21 de junho de 2012.  Autor: Códice. Fonte. Licença CC BY-SA.

Quem disse que anjo é uma criança sem roupa? De onde tiraram essa idéia? Certamente aquele anjinho chamado Eros da mitologia grega, equivalente ao Cupido da antiga religião romana, considerados como divindades do amor, representados com asas e sem roupas, tenham sido a inspiração para esses artistas. [11], [12] O problema é que parece que Cupido ou Eros, de certa forma, jogaram flechas de erotismo nas pessoas erradas. E a Igreja, depois de ver o amor ágape se esfriar em meio à multiplicação da iniquidade, conforme predisse Jesus, viu o amor eros se incendiando no seu sacerdócio. [13]

 

Mas não vemos apenas anjos pelados. Até o menino Jesus também tem sido representado desnudo. Numa pintura do artista italiano Giovanni Bellini (1430–1516) aparece a Virgem Maria com o menino Jesus sem roupa e de pé. [14] O artista italiano Michele Tosini (1503–1577) também representou a Virgem com o menino Jesus, o garoto João batista e anjinhos. Detalhe: com exceção da Santa, todos se encontram despidos. [15] Outro artista italiano, Benvenuto Tisi (1481-1559) mostrou a Virgem Maria ao lado de José, e ambos ostentam o menino Jesus, peladinho.

 

Cenas eróticas com crianças são vistas até mesmo nos templos católicos. Na cidade do Porto em Portugal, no alto da fachada da antiga Igreja paroquial de Carvalhido, encontra-se um azulejo retratando Nossa Senhora da Assunção, rodeada de anjinhos nus. [16] E o italiano Sebastiano del Piombo (1485-1547) deixou a nudez infantil na Catedral de Burgos, Espanha. [17] Na Abadia de San Michele em Procida, Itália, esse santo aparece com anjinhos nus, numa pintura barroca. [18] Na igreja da Santíssima Trindade, em Fulnek, República Tcheca, pode ser visto um afresco mostrando o Cristo crucificado, junto ao erotismo infantil. [19] No Brasil, em Minas Gerais, na cidade de Ouro Preto, no forro da nave da Igreja da Ordem Terceira de São Francisco, Manoel da Costa Ataíde (1762–1830) pintou a “Assunção da Virgem”, também rodeada de pequenos anjos nus. [20]

 

Esse são apenas alguns exemplos. Encontramos, no seio da Igreja, muitas obras de arte dessa natureza.

 

É estranho ver que a cúpula da igreja não tem condenado esse tipo de arte erótica. Muitos vêem essas artes com um olhar de respeito, mas nem todo mundo é assim. Talvez essas pinturas tenham sido um estímulo à pedofilia. Afinal, o que se pode esperar dos padres presos ao celibato, rodeados por uma arte dessa natureza?

 

A lei de Moisés tratou dos seguintes temas sexuais:

 

·       Casamento com mulher sem virgindade. (Deuteronômio 22.13-21.) [21]

·       Adultério. (Levítico 20.10; Deuteronômio 22.22.) [22]

·       Estupro de virgens com casamento contratado. (Deuteronômio 22.23-27.) [23]

·       Estupro de virgens sem casamento contratado. (Deuteronômio 22.28-29.) [24]

·       Sexo com escravas. (Levítico 19.20) [25]

·       Homossexualidade. (Levítico 20.13.) [26]

·       Zoofilia. (Levítico 20.15-16.) [27]

 

E a Pedofilia? Essa perversão foi omitida. Talvez, naquela época, esse problema não existia, dispensando a preocupação com qualquer legislação nesse sentido.

 

Mas muito tempo depois, o Didaquê, uma espécie de catecismo, que provavelmente tenha sido escrito entre os anos 90 e 100 da era cristã, diz o seguinte no capítulo II, verso 2: “Não cometerás adultério; não matarás; não prestarás falso testemunho; não violarás a criança...” É uma pena, pois para muitos religiosos, incluindo muitos padres, esse mandamento ficou perdido no tempo. [28], [29], [30]

 

Gilbert Keith Chesterton, escritor, poeta, narrador, ensaísta, jornalista, historiador, biógrafo, teólogo, filósofo, desenhista e conferencista britânico (1874-1936) declarou: “Somente a ortodoxia católica faz o homem feliz: é como os muros postos ao redor de um precipício onde pode brincar uma porção de crianças.” Depois de confirmados tantos casos de pedofilia praticada por padres católicos, duvido que ele ainda diria uma coisa dessa. [31], [32], [33]

 

Um dia, Jesus chamou uma criança e a colocou diante de seus discípulos e disse: “Eu afirmo a vocês que isto é verdade: se vocês não mudarem de vida e não ficarem iguais às crianças, nunca entrarão no Reino do Céu. A pessoa mais importante no Reino do Céu é aquela que se humilha e fica igual a esta criança. E aquele que, por ser meu seguidor, receber uma criança como esta estará recebendo a mim.” (Mateus 18.3-5, NTLH.) [34]

 

“Depois disso, algumas pessoas levaram as suas crianças para Jesus pôr as mãos sobre elas e orar, mas os discípulos repreenderam as pessoas que fizeram isso. Aí ele disse: ‘Deixem que as crianças venham a mim e não proíbam que elas façam isso, pois o Reino do Céu é das pessoas que são como estas crianças.’  Então Jesus pôs as mãos sobre elas e foi embora.” (Mateus 19.13-15, NTLH.) [35]

 

Através desses ensinos, Jesus mostrou que devemos imitar a pureza das crianças e que não devemos, jamais, maltratá-las, mas sim abençoá-las com todo respeito.

 

Cupido amando Psiquê, a deusa da alma, foi um mito engraçado. [36], [37], [38] Mas homens barbados, paramentados, com aquela voz solene, castos? se dizendo representante de Cristo, cheios de hipocrisia, vazios de amor ágape e transbordando de erotismo infantil, violando nossos anjinhos, não têm graça nenhuma. É uma desgraça religiosa! É crime! É profanação do evangelho.

 

Para que celibato? Todos têm a liberdade para permanecerem solteiros. Mas como disse o apóstolo Paulo, depois de dizer que o celibato poderia ser algo bom naqueles tempos difíceis: “Se vocês não podem dominar o desejo sexual, então casem, pois é melhor casar do que ficar queimando de desejo.” (1 Coríntios 7.9, NTLH.) [39] Eu digo mais: É melhor que se casem, do que ficar ardendo na pedofilia.

 

Abaixo a pedofilia!



 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br