Translate, traduzir

Modelos religiosos

Livres dos Fardos Religiosos

 

No tempo do Brasil colonial, com igrejas erguidas por todos os lados, todo mundo queria ter pelo menos um escravo. Os mais poderosos tinham muitos. Os mais pobres tinham pelo menos um ou dois. Até as piedosas madames se deliciavam com os serviços dos pobres coitados duramente explorados. [1]

 

clip_image002

Descrição: Uma senhora sendo servida por um escravo. Data: 1623. Autor: Anthony van Dyck (1599–1641). Reprodução: O projeto de Yorck: 10000 Meisterwerke der Malerei DVD-ROM, 2002. ISBN 3936122202 . Distribuído por Direct Media Publishing GmbH. Fonte e licença DP.

 

Alguém poderia dizer: “Que vergonha! Cristãos escravizando pessoas!” Mas outro poderia responder: “Que problema tem? Salomão, homem da Bíblia, também teve muitos escravos. Em Eclesiastes 2.7 ou 2.6, conforme a versão, ele disse que havia comprado escravos e escravas e teve muitos escravos nascidos em casa.” [2], [3] (Que é isso, homem de Deus!?)

 

O regime de escravidão que aconteceu nas nações ditas cristãs foi uma tremenda vergonha. Isso aconteceu porque muitos líderes das igrejas, em vez de seguirem os ensinos de Cristo, se inspiraram em homens do Velho Testamento, quando se fazia de tudo em nome de Deus, incluindo o uso do trabalho escravo.

 

Modelo religioso é a pessoa ou ato que pode servir de exemplo e que pode ser imitado. Mas alguns, tidos como modelos, devem ser evitados.

 

O ser humano tem a mania de venerar as pessoas que foram ou são famosas, ricas, importantes, que tinham ou têm status, títulos honoríficos e destaque religioso. Foi assim que muitos conquistaram um lugar de honra na história e tiveram os seus maus feitos camuflados pelos seus admiradores que, cegados pela paixão, não enxergaram ou não enxergam os seus maus exemplos. Dessa forma, a veneração de certas pessoas pode servir de apologia aos seus bons e maus comportamentos.

 

Não podemos idolatrar ninguém, pois qualquer ser humano, se quiser, pode realizar grandes feitos. E todos erraram e erram. Somente Deus é digno de louvor. É muito perigoso a gente exaltar demais uma pessoa e não enxergar o seu lado humano. Ela ficará engrandecida e endeusada sem merecer. E os seus erros poderão contaminar outras pessoas.

 

Muitos têm a mania de ter certos personagens bíblicos como modelo de santidade e devoção a Deus. Vários pregadores, muitas vezes, se esquecem o que Jesus realmente ensinou e pregam, usando pessoas do Antigo Testamento como pano de fundo para as suas mensagens, fazendo com que elas sejam exemplos a serem seguidos. Não creio que isso seja uma boa idéia. Todos os seres humanos estão sob o risco de cometer muitas falhas. Muitos homens venerados como grandes homens de Deus foram ou são criaturas com defeitos. Aliás, muitos personagens bíblicos bastante venerados tiveram defeitos piores do que os mais terríveis criminosos dos nossos dias. Alguns praticaram coisas absurdas, até usando o nome de Deus. Foram muitas coisas que jamais podemos imitar. Vamos ver alguns exemplos.

 

Noé ficou bêbado e tirou a roupa. Em seguida, amaldiçoou o seu filho Cam por tê-lo visto nu. (Gênesis 9.20-26.) [4] E hoje, muitos, embriagados com o preconceito religioso, ainda acham que os nossos irmãos africanos carregam a maldição de Cam.

 

Abraão teve, em seu poder, uma escrava com quem teve um filho. Ela e o seu filho foram mandados embora para o deserto com apenas pão e água. (Gênesis 16.1-4 e 21.14-16.) [5] Ele também tentou assassinar o seu filho Isaque, acreditando que o menino deveria ser oferecido a Deus em sacrifício. (Gênesis 22.) [6] O patriarca Abraão foi um homem de fé, mas não posso tirar o chapéu para essas suas atitudes.

 

clip_image004

Descrição: Linda cena de Ló com suas filhas. Pena que ele estragou tudo ficando bêbado e mantendo relações sexuais com elas. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

quis entregar suas duas filhas virgens para os homens de Sodoma abusarem delas. Fez isso para defender dois homens hospedados em sua casa. (Gênesis 19.1-8.) [7] Algum tempo depois, ele ficou bêbado e manteve relações sexuais com essas duas filhas. Elas ficaram grávidas e geraram filhos do próprio pai. (Gênesis 19.31-38.) [8] De novo, a malvada da pinga!

 

Jacó enganou o seu pai Isaque, fingindo ser o seu irmão Esaú. (Gênesis 27.) [9] Foi uma falcatrua daquelas.

 

Moisés cometeu um assassinato. (Êxodo 2.11-12.) [10] Mais tarde, em nome de Deus, ele ordenou o seu povo realizar guerras, chacinas, saques e escravização. (Deuteronômio 20.10-17; Números 31; Levítico 25.44-45.) [11] 

 

Josué comandou o povo hebreu, procurando executar fielmente as ordens dadas por Moisés em nome de Deus. O livro de Josué é um livro de pura violência, mostrando atos de guerras, chacinas, saques e escravizações. [12] 

 

Sansão soltou trezentas raposas com fachos de fogo nas culturas dos filisteus. (Juízes 15.4-5.) [13] Depois prostituiu-se. (Juízes 16.1.) [14] E ainda provocou uma matança ao longo da sua vida, morrendo num ataque suicida. (Juízes 16.) [15]

 

Gideão teve muitas mulheres. (Juízes 8.30.) [16] Construiu um ídolo com o ouro arrecadado de uma batalha e fez o povo de Israel abandonar a Deus caindo na idolatria. (Juízes 8.22-27.) [17]

 

Samuel cortou um homem em pedaços. (I Samuel 15.33.) [18]

 

Elias matou 450 profetas de outra crença religiosa. (I Reis 18.40.) [19]

 

Eliseu amaldiçoou uns meninos. (II Reis 2.23-25.) [20]

 

Davi, um dos mais venerados, cometeu uma grande chacina de 200 homens e retirou, de cada um deles, o prepúcio para adquirir a filha do rei Saul para ser sua mulher. (I Samuel 18.25-27.) [21] Antes de ser rei, ele andou, com um bando de quatrocentos homens, matando homens e mulheres e saqueando ovelhas, bois, jumentos, camelos e vestuários. (I Samuel 27.8-11). [22] Um dia, ele ameaçou se vingar de um fazendeiro que não quis ajudá-lo. Sua intenção era provocar uma carnificina em sua propriedade. (I Samuel 25.2-44) [23]. Mais tarde, cometeu um sequestro, seguido de estupro, adultério e homicídio qualificado.(II Samuel 11.) [24] Ele também manteve dez concubinas no cárcere privado. (II Samuel 20.3.) [25] E entregou sete pessoas inocentes para os gibeonitas, que enforcaram todos eles num monte em Gibeá, numa carniçaria extremamente macabra. (II Samuel 21.) [26] Quando já era velho, arrumou uma donzela para lhe aquecer deitada ao seu lado. (I Reis 1.1-4.) [27] E, na hora da sua morte, sugeriu que seu filho Salomão cometesse dois assassinatos. (I Reis 2.1-12.) [28] Enfim, foi um homem que derramou muito sangue. (I Crônicas 28.3.) [29]

 

Salomão, rapazinho obediente, seguiu os conselhos do velho e mandou assassinar os dois homens indicados pelo pai. (I Reis 2.29, 34, 46.) [30] Teve 700 mulheres e 300 concubinas e cometeu muita idolatria e muita devassidão. (I Reis 11.1-8.) [31] Usou o trabalho forçado de uma leva de gente composta de trinta mil homens. (I Reis 5.13; 9.15; 9.20-21.) [32] Explorou duramente o seu povo. (I Reis 12.4.) [33]

 

Esses personagens bíblicos, dentro do contexto social em que eles viviam, mesmo praticando tantos erros, se sentiram e foram tratados como homens de Deus. Mas hoje temos que tomar cuidado para que não sejam resgatados certos comportamentos aceitos no passado e que precisam ser desaprovados. É evidente que o ser humano possui muitas falhas. Não podemos condenar ninguém pensando que somos os melhores. Estamos mostrando isso porque ouço muitos líderes religiosos alertando os cristãos sobre o perigo das más influências e se esquecem que os homens, na Bíblia, tidos como santos, na verdade, são piores do que muitos dos quais eles alertam que se afastem. Na Bíblia, o melhor modelo religioso foi Jesus. Ele não foi conivente com todos esses males praticados no Antigo Testamento.

 

Não podemos imitar pessoas, pois muitas vezes as pessoas fazem coisas boas e ruins, certas e erradas, e corremos o risco de imitar tudo. Na verdade, precisamos imitar apenas as boas atitudes, procurando desprezar os atos maus de qualquer pessoa. Não podemos ter pessoas como modelos de vida: elas poderão nos decepcionar ou nos arrastar com elas para o mesmo buraco. Esses personagens bíblicos também fizeram coisas boas. Mas temos que aprender separar o joio do trigo. Por isso, devemos examinar tudo, colher o que é bom e descartar o que não presta de todas as pessoas, seja lá quem for.

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br