Translate, traduzir

Dominação religiosa

Livres dos Fardos Religiosos

 

Houve, há e sempre haverá milhares de denominações religiosas espalhadas pelo mundo. Ninguém está livre de se tornar adepto de alguma delas. Se você desenvolver qualquer seguimento religioso e não colocar nele nenhum nome, mesmo assim ele terá algum nome criado pelas pessoas. De uma forma ou de outra, a pessoa acaba se envolvendo com alguma denominação religiosa. Por isso, o problema não está na denominação. O problema está na dominação religiosa. Se você criou uma religião para dominar ou se está dominado por alguma, então está no caminho errado.

 

 

image

Descrição: Prisão. Data: Maio/2012. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

Dominação religiosa é o exercício do poder religioso sobre pessoas ou grupos. Isso tem sido muito comum entre as religiões. Reis e sacerdotes, em nome de Deus ou dos deuses, subjugaram multidões.

 

Hindus. A Índia, habitada há mais de 2500 anos antes de Cristo pelos drávidas ou dravidianos, por volta de 1750, é invadida e dominada ao norte pelos arianos vindos da Pérsia. Com base em suas tradições religiosas conhecidas como hinduísmo, os arianos formam a civilização hindu. Os sacerdotes dessa religião, que são conhecidos como brâmanes, estabelecem as leis por meio do Código de Manu e, através desse, o sistema de castas, dividido em quatro classes:

 

  1. brâmanes (sacerdotes);
  2. xátrias (nobres, guerreiros e administradores);
  3. vaixás (comerciantes e camponeses);
  4. sudras (trabalhadores).

 

Há ainda os que não têm casta, chamados de párias (intocáveis). Esses ficaram com os piores trabalhos, vivendo separados das outras pessoas. Foram tão discriminados que nem ganharam uma posição no sistema de castas. [1], [2], [3], [4]

 

Romanos. No princípio, para os romanos, o direito era algo sagrado. Os sacerdotes da religião romana, da classe dos patrícios, conhecidos como pontífices, e outros representantes patrícios, controlavam as leis, guardando-as em segredo e as executando especialmente contra os plebeus, que era uma classe inferior. Em meados do século V a.C., surgiu, enfim, a lei escrita em doze tábuas (Lei das Doze Tábuas) deixando de ser segredo nas mãos dos sacerdotes. [5], [6]

 

Hebreus (judeus). De acordo com a religião dos hebreus, eles podiam dominar os povos da terra de Canaã. (Deuteronômio 7.1-4; 20.10-17.) [7] E foi o que eles fizeram. Esse povo, em nome de Deus, travou uma série de guerras contra os diversos povos da região de Canaã, causando a morte de homens, mulheres, moças, crianças, criancinhas de peito, velhos e animais. Nessas guerras, eles destruíam casas, cidades, plantações e muros; provocaram incêndios, aprisionaram pessoas de todas as idades, abusaram sexualmente das virgens e escravizaram muitos. O livro de Josué e o livro dos Juízes mostram detalhes dessas destruições. Números 31.17-18 e 1 Samuel 15:3 revelam um pouco dos horrores que eles deviam cometer. [8] Eles não tinham uma religião para anunciarem para os outros povos. Eles usaram a sua religião para dominarem os outros.

 

O hinduísmo ou bramanismo e a religião romana tornaram-se um problema a partir do momento quando a sociedade foi estratificada, colocando uns dominando outros, colocando privilégios nas mãos de uns e segregando outros. No hinduísmo, podemos ver o privilégio dos brâmanes, que criaram as castas, ocupando o topo da sociedade. Entre os antigos romanos, vemos os pontífices (sacerdotes) ao lado dos patrícios, dominando os plebeus. Por outro lado, vemos os hebreus, em nome de uma religião, dominando os outros povos da terra de Canaã.

 

 

image

Descrição: Dominação religiosa. Data: Julho/2012. Autor: Maralvestos. . Licença CC BY-SA.

 

A religião, muitas vezes, se transforma num fardo pesado, difícil de ser suportado. Mas a proposta de Jesus Cristo foi totalmente diferente de muitas religiões. Ele lavou os pés de seus discípulos e disse: “Entendeis o que vos tenho feito? Vós me chamais Mestre e Senhor; e dizeis bem, porque eu o sou. Ora, se eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros. Porque eu vos dei exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. Em verdade, em verdade vos digo: Não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou. Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes.” (João 13.12-17, RC.) [9] Na verdade ele não mandou ninguém lavar os pés dos outros como um ritual religioso. O que ele fez foi ensinar, através desse gesto ou dinâmica, que devemos servir uns aos outros. A sua mensagem não é uma religião para dominar pessoas, mas para servi-las. O mais importante deve ser como o menos importante; e o que manda como o que é mandado. (Lucas 22.26.) [10]

 

Os primeiros cristãos viveram assim. Mas com o tempo, o orgulho e a insolência entraram no coração de muitos. Foi criado uma hierarquia de líderes, onde uns começaram a dominar os outros. [11] E a Igreja descartou o verdadeiro evangelho de Jesus e começou a impor preceitos, leis, dogmas e liturgias. [12], [13], [14], [15] Deixaram de anunciar o evangelho puro para impor um cristianismo deturpado.

 

Na Idade Média, através da Inquisição, a Igreja dominou milhões de pessoas, causando um verdadeiro terror religioso. Alguns inimigos do catolicismo exageram mostrando um número muito alto de vítimas, enquanto os defensores da Igreja tentam abrandar com o menor número possível. Todavia, apesar dos exageros dos mais exaltados, falando de milhões de vítimas, não podemos negar que houve um triste período de dominação religiosa imposto por aqueles que deveriam proporcionar a liberdade. Documentos e ilustrações da época, mesmo havendo exageros alegados por alguns, provam que os horrores da Inquisição foram reais. [16], [17] E ainda que tenha matado apenas uma pessoa, teríamos que admitir que a instituição tenha sido realmente assassina. Ainda assim deveríamos ficar indignados. Há muita ingenuidade ou falta de amor naqueles que tentam defender atos absurdos como esses. Como se sentiria se entre aquelas vítimas estivesse o seu filho?

 

 

image

Descrição: Tribunal da Inquisição. Data: 1812-1814. Autor: Francisco Goya (1746–1828). Reprodução: O projeto de Yorck: 10000 Meisterwerke der Malerei DVD-ROM, 2002. ISBN 3936122202 . Distribuído por Direct Media Publishing GmbH. Fonte e licença DP.

Foi assim que esse cristianismo corrompido dominou os povos da Europa, das Américas e da África. As pessoas tinham que se tornar súditas do império religioso de Roma a qualquer preço. Para isso, usaram a maldita Inquisição e outros artifícios. Mouros, judeus e muitos outros foram forçados a se converterem ao catolicismo. Os reis católicos contribuíram com o domínio da Igreja. O rei dos francos, Carlos Magno, por exemplo, propôs para os saxões a conversão ao cristianismo ou a morte. [18] Os nativos do território onde está o Brasil viviam livres sobre a mãe terra. Mas tudo virou Terra de Santa Cruz. Como disse Ângelo Agostini numa ilustração, em 1877, onde um índio carrega uma cruz: “O Brasil, terra de Santa Cruz. É uma cruz cada vez mais pesada!” [19]

 

Entre os evangélicos, existem muitos pregadores usando o versículo registrado em Deuteronômio 28.13: “E o Senhor te porá por cabeça, e não por cauda; e só estarás por cima, e não por baixo; se obedeceres aos mandamentos do Senhor teu Deus, que eu hoje te ordeno, para os guardar e cumprir.” [20] Estão instigando as pessoas a dominarem como os hebreus dominaram. Por causa das pregações desse tipo, muitos perderam o espírito humanitário e se contaminaram com o veneno do capitalismo selvagem, onde cada um por si, cheio de si, quer dominar, em vez de ajudar o outro.

 

Muitas religiões têm dominado as pessoas. Muitos, em vez de se tornarem livres diante de Deus, tornam-se escravos de organizações religiosas. Para conseguir mantê-las dominadas, muitos líderes inventam um monte de coisas em nome de Deus. E as pessoas, muitas vezes ingênuas ou com medo de ofenderem a Deus, acabam se sujeitando a tudo sem nenhum questionamento.

 

 

image

Descrição: Libertação. Data: Julho/2012. Autor: Maralvestos. . Licença CC BY-SA.

 

Não devemos dominar os outros. Ninguém é melhor do que ninguém: uns têm talentos numa área, outros os têm em outra. Precisamos nos ajudar uns aos outros com os nossos talentos. Temos que servir às pessoas e não fazer com que elas sejam servas nossas.

 

Devemos respeitar todas as religiões. Mas não podemos aplaudir aquelas que querem exercer domínio sobre os outros. Esse tipo de religião não combina com o evangelho. Não precisamos e nem devemos apontar quais são os líderes dominadores dos nossos dias. Entretanto devemos nos desviar deles.

 

O nosso desejo é levar para você mensagens de liberdade e nunca de opressão. Aqui você terá um encontro com o verdadeiro evangelho sem nenhuma sombra de dominação.

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br