Apresentação de crianças

Livres dos Fardos Religiosos

 

Na lei de Moisés, quando uma mulher tinha filho, ela era considerada impura por sete dias. No oitavo dia, o menino era circuncidado, e a mulher continuava impura por mais trinta e três dias. Se fosse filha, ficava imunda por quatorze dias e depois mais sessenta e seis dias.

 

Depois desse tempo de purificação, acontecia, então, a apresentação da criança. A mulher ia até a entrada do tabernáculo (ou do templo) e entregava ao sacerdote um cordeiro de um ano para um holocausto, e um pombinho ou uma rola como oferta pelo pecado. Se não tivesse recursos para oferecer um cordeiro, podia levar duas rolinhas ou dois pombinhos. O cordeiro ou uma ave era oferecida em holocausto. A outra ave era usada como oferta para tirar pecados. O sacerdote apresentava a oferta perante o Senhor para conseguir o perdão dos pecados dela, e ela, então, passava a ser considerada limpa. (Levítico 12.) [1]

 

 

clip_image002

Descrição: Apresentação de Jesus. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

Segundo o livro do Êxodo, quando Deus libertou o povo de Israel do Egito, ele fez acontecer dez pragas. A décima praga foi a morte de todos os primogênitos (primeiros filhos) dos animais e dos homens. (Êxodo 11.) [2] Por causa disso, a lei de Moisés determinou que todos os primogênitos dos animais e dos humanos seriam consagrados ao Senhor. Os primogênitos dos animais deveriam ser sacrificados. Os primeiros filhotes de animais imundos e os primeiros filhos humanos deveriam ser resgatados. O dono dos animais primogênitos ou o pai do primeiro filho teriam que pagar por eles um determinado preço. (Êxodo 13.11-15; Êxodo 34.19-20; Números 18.15-18, Levítico 27.26-27.) [3]

 

Jesus, que nascera debaixo da lei, foi levado à Jerusalém, cumprindo as determinações da lei. “E, cumprindo-se os dias da purificação, segundo a lei de Moisés, o levaram a Jerusalém, para o apresentarem ao Senhor (segundo o que está escrito na lei do Senhor: Todo macho primogênito será consagrado ao Senhor) e para darem a oferta segundo o disposto na lei do Senhor: um par de rolas ou dois pombinhos.” (Lucas 2.22-24, RC). [4]

 

Os primeiros cristãos não seguiram esse ritual. Eles sabiam que não estavam mais debaixo da lei de Moisés. [5] Eles não tinham templos, não tinham sacerdotes e nem altares para sacrifícios de animais. [6], [7] Mas com o tempo, como já vimos em outras mensagens, os bispos viraram sacerdotes. E depois que o imperador romano Constantino apoiou o cristianismo, ele começou a construir templos com altares. Muitos rituais da lei de Moisés, embora modificados, pouco a pouco, foram restabelecidos, dentro de um processo de judaização do evangelho. [8], [9]

 

Depois de algum tempo, as diversas igrejas novas que surgiram depois da Reforma do século XVI e que não admitem o batismo de crianças acabaram resgatando esse ritual da lei de Moisés, modificando-o de acordo com as suas conveniências. O pastor da igreja, diante da congregação, coloca a criança nos braços ou impõe as mãos sobre ela, ao lado de seus pais ou responsáveis e ora por ela apresentando-a ao Senhor. Trata-se de uma imitação da apresentação feita segundo a lei de Moisés. [10], [11], [12]

 

Jesus mandou batizar as pessoas sem especificar a idade. (Mateus 28:19.) [13] Por causa disso, muitos entendem que todos podem ser batizados: crianças e adultos. Mas muitas igrejas, baseados nas opiniões dos anabatistas, rejeitam o batismo infantil. [14] Todavia, realizam o ritual da apresentação, adaptado, sem nenhuma base no Novo Testamento. Qual é a sua opinião?

 

Alguns defendem que se Jesus foi apresentado, as crianças cristãs também devem ser apresentadas. Se fôssemos seguir esse raciocínio, então teríamos que circuncidar os meninos, pois Jesus foi circuncidado. Mas nada disso tem bases no evangelho de Jesus. Primeiro, não estamos mais debaixo da lei. (Romanos 7.6.) [15] Se tivéssemos que cumprir as determinações da lei, como foi com Jesus, que nascera sob a lei, então, teríamos que fazer a coisa certa. Deveríamos observar o tempo de sete dias para os meninos, a circuncisão no oitavo dia e mais trinta dias de purificação. No caso de meninas, quatorze dias mais sessenta e seis dias. Após esse tempo de purificação, a mãe deveria levar ao sacerdote, não dentro, mas na porta do templo, um cordeiro, um pombinho ou uma rolinha ou duas rolinhas e dois pombinhos que seriam sacrificados. No caso de primogênitos, os pais deveriam pagar ao sacerdote um valor pelo seu resgate.

 

A oração feita pela criança durante uma apresentação é importante, pois devemos orar uns pelos outros. (Tiago 5.16.) [16] Mas essa oração independe da idade e do lugar e não é um ritual. Devemos orar pelas crianças, jovens adultos e idosos em qualquer lugar. Sendo assim, para os cristãos, não existe nenhum ritual com crianças a ser feito em qualquer templo. As práticas da lei de Moisés, incluindo a apresentação de crianças, o templo, o sacerdote, o oferecimento de animais, os sacrifícios, o período de purificação, a consagração de primogênitos, o resgate, tudo isso e muito mais está fora do evangelho de Jesus. Ele nos libertou da lei. Paulo, falando do Novo Testamento em relação ao Velho e do evangelho em relação à lei, diz: “Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão.” (Gálatas 5.1, RA.) [17]

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br