Objetos litúrgicos

Livres dos Fardos Religiosos

 

Já vimos, noutra mensagem, que o sacerdote, nas diversas religiões antigas, era a pessoa encarregada de ser um mediador entre o homem e a divindade. As diversas funções ou liturgias sacerdotais eram, principalmente, a realização de rituais diversos (rituais de iniciação, purificação, proteção, oferendas, sacrifícios etc.). [1], [2] Para realizar essas tarefas, eles necessitavam de algumas ferramentas e objetos.

 

No Antigo Testamento, segundo a lei, para colocar em prática os diversos rituais determinados por Moisés, era necessário ter alguns objetos à disposição dos sacerdotes. Então, eles foram feitos. [3] Veja o que havia no santuário:

 

·       Arca da Aliança, um baú feito de madeira de acácia, revestido de ouro por dentro e por fora, decorado com molduras também de ouro, com uma tampa de ouro puro e dois querubins de ouro batido por cima. (Êxodo 25.10-22; 37.1-9.) [4]

·       Mesa para os pães oferecidos a Deus, igualmente feita de madeira de acácia, revestida de ouro e decorada com molduras de ouro ao redor. (Êxodo 25.23-28; 37.10-15.) [5]

·       Objetos para a mesa (pratos, copos, taças e jarras) tudo feito de ouro puro. (Êxodo 25.29; 37.16.) [6]

·       Candelabro com sete lâmpadas para iluminar o templo, da mesma forma, feito de ouro puro. (Êxodo 25.31-37; 37.17-22.) [7]

·       Tesouras de cortar os pavios das lamparinas e os cinzeiros, tudo, da mesma forma, de ouro puro, para acompanharem o candelabro. (Êxodo 25.38; 37.23-24.) [8]

 

 

image

Descrição: A mesa com os pães oferecidos a Deus. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

image

Descrição: Candelabro. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

image

Descrição: Altar de incenso Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

·       Altar de incenso, também de madeira de acácia, coberto de ouro puro, para queimar incenso. (Êxodo 30.1-9; 37.25-29.) [9]

·       Altar de sacrifícios, igualmente de madeira de acácia, mas revestido de bronze. (Êxodo 27.1-8; 38.1-2.) [10]

·       Cinzeiros, pás, bacias, garfos e braseiros para, tudo feito de bronze, para acompanharem o altar. (Êxodo 27.3; 38.3.) [11]

·       Pia de bronze para colocar água para que os sacerdotes pudessem lavar as mãos e os pés antes de realizarem as suas tarefas sacerdotais. (Êxodo 30.17-21; 38.8.) [12]

·       Incensários para queimar incenso. (Levítico 16:12.) [13]

 

 

clip_image008[6]

Descrição: Pia de bronze com água. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

clip_image010[6]

Descrição: Altar de sacrifícios. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

Posteriormente, no século X a.C., por volta do ano 966, o rei Salomão construiu um templo de alvenaria para Deus, em Jerusalém, a fim de substituir o santuário em forma de tenda. [14] Esses objetos foram construídos com medidas ainda maiores e foram acrescentados outros mais como, por exemplo: dez candelabros de ouro e dez mesas, dois grandes querubins de madeira folheado de ouro, dez bacias, um grande tanque sobre dez touros de bronze, etc. (1 Reis 6; 2 Crônicas 3; 4.) [15], [16]

 

 

image

Descrição: Data: Lugar Santo do templo por dentro. 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

 

 

Jesus, diferente da religião de Moisés e das demais religiões antigas, não determinou que seus discípulos praticassem rituais diversos e, por isso, também não mandou construir templos, nem criar nenhum sacerdócio. Sendo assim, consequentemente, não precisamos de nenhum objeto sagrado. Conforme já vimos, liturgia significa serviço público. [17], [18], [19] Qual é o verdadeiro serviço público da igreja determinado por Jesus? Anunciar o seu evangelho a todos os povos da terra. (Mateus 28:19-20.) [20] Em nome dele, a mensagem sobre o arrependimento e o perdão dos pecados deve ser anunciada a todos. (Lucas 24:47.) [21] Essa foi a missão que ele deu aos seus discípulos. E é interessante observar que ele fez questão de dizer que não era para eles levarem objeto algum. (Mateus 10.5-10; Lucas 10.1-4.) [22] Não vemos, na igreja do Novo Testamento, nenhum objeto sagrado, nenhuma parafernália litúrgica determinada. É claro que isso não quer dizer que não podemos usar nada para facilitar a pregação do evangelho. Mas isso quer dizer que nada é uma imposição, uma ordem, um mandamento. Cada um usa o que achar melhor, mas sem dar a nenhum objeto o caráter de sagrado.

 

No século IV, templos foram construídos. [23]. Diante dessa nova realidade, distante do evangelho original, pouco a pouco, diversos objetos sagrados foram construídos para o desenvolvimento de uma complicada liturgia que Jesus nunca determinou.

 

·       Entre os séculos II e III, os cristãos começaram a venerar os seus irmãos mortos, uma prática muito comum em muitas religiões antigas. Ossos e objetos pessoais dos mortos começaram a ser guardados como relíquias, virando objetos sagrados. [24], [25] O costume de reunir relíquias se tornou comum, e a Igreja ficou abarrotada de coisas desse tipo.

 

·       A partir do século II, conforme já vimos, na mensagem sobre a liturgia do culto público, as crenças carregadas de misticismos em cima da ceia mudaram os rumos da Igreja. A celebração com pão e vinho, chamada de Eucaristia, se tornou uma espécie de sacrifício realizado pelo bispo, que passou a ser visto como um sacerdote. [26] Diante dessas crenças e práticas, a Igreja acabou arrumando uma série de objetos litúrgicos, que foram sendo criados, pouco a pouco, ao longo dos anos. [27]

 

·       Os objetos litúrgicos usados na liturgia católica são: altar, cálice, patena, corporal, pala, galhetas, crucifixo, manustérgio, ostensório (custódia) teca, ambão, incenso suave, naveta, turíbulo, aspersório, bacia, caldeirinha, campainha, castiçais, sede (cátedra), círio pascal, âmbula, colherzinha, conopeu, credencia, cruz processional, andor, esculturas ou imagens, partícula (pão eucarístico), hóstia magna, jarro, lamparina (lâmpada do santíssimo), lavatório (pia da sacristia), livros litúrgicos (lecionário, missal, rituais, pontifical, gradual, antifonal), luneta, matraca, píxide, pratinho, sanguíneo, relicário, sacrário, véu do cálice. [28], [29], [30].

 

 

clip_image002[10]

Descrição: Alfaias litúrgicas, principalmente a partir do século XVII e XVIII, no Tesouro da Basílica de São Gervásio, Maastricht, Holanda. Data foto: 22 de fevereiro de 2011. Autor: Kleon3. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

·       Os objetos litúrgicos usados na liturgia ortodoxa.

·       Colocados sobre o Altar ou Santa Mesa: Santo Evangelho, que é um livro de confecção nobre e artística, antimênsion, crucifixo, Cruz de Bênçãos, artofórion ou tabernáculo, ripídia e castiçais.

·       Colocados sobre o Altar de Prótese: cálice, disco, asterisco ou estrela, kalimas, lança para cortar o pão, colher, esponja, prósfora, zéon ou teplotá e dípticos. [31] Nenhuma dessas coisas tem ligação com Jesus no sentido litúrgico.

 

Além de tudo isso, ainda encontramos: medalhas, rosários, terços, velas, etc.

 

Liturgicamente falando, você não vê Jesus exigindo nada disso. Todavia, a Igreja arrumou essa pesada carga de objetos litúrgicos.

 

·       No século XVI, com as novas crenças e práticas desenvolvidas pela Reforma protestante, muitos objetos litúrgicos deixaram de ser utilizados. [32]  Mas não foi tudo totalmente eliminado. Em muitas igrejas, ainda se vê muitos objetos dessa natureza. O púlpito e a Bíblia Sagrada, por exemplo, são duas coisas bastante comuns no meio protestante e evangélico.

 

·       No século XX, com o surgimento das igrejas neopentecostais, centenas de novos objetos místicos têm surgido a cada dia como: frascos de óleo e água benta, fitinhas, rosa ungida, aliança ungida, lenço ungido, varinha de Jacó, tapete ungido, trombeta de Jericó, cântaro e espada de Gideão e por ai a fora. Cada dia que passa, o pragmatismo desenfreado, com o objetivo de fazer prosélitos para as igrejas institucionalizadas, faz muitos pastores inventarem novos elementos sagrados que vão sobrecarregando o povo de misticismo. [33].

 

·       Com a judaização do evangelho, que tem acontecido desde os primórdios do cristianismo e, depois do século XX, em muitas igrejas evangélicas, elementos do judaísmo têm sido resgatados como: candelabro, shofar, arca da aliança, bandeira de Israel, etc. [34].

 

Preste a atenção: devemos respeitar todos os elementos sagrados de todas as religiões e igrejas. Todavia, não precisamos abandonar o evangelho original de Jesus, que nos liberta de tudo isso. Deus é Espírito e pode atuar sem a necessidade de qualquer ferramenta ou qualquer outro objeto. Sendo assim, em qualquer lugar e em qualquer hora, independente de qualquer coisa, Deus pode agir com todo o seu poder. Basta confiarmos nele. Por isso, você pode ficar livre de todos os objetos religiosos.  Segundo o evangelho puro e simples de Jesus, eles não são mais necessários. Fique livre dos fardos de elementos sagrados impostos pelos homens das religiões. As ferramentas divinas são espirituais.

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br