Títulos religiosos (parte I)

Livres dos Fardos Religiosos.

 

Comparando o evangelho original de Cristo, lá no Novo Testamento, com o evangelho pregado por muitos, percebemos uma tremenda diferença, vemos uma enorme incoerência, uma grande contradição. Homens chiques, altaneiros, chamando a si mesmos de reverendo fulano, doutor sicrano, Dom beltrano... Hum! Não combina com o que Jesus ensinou. Onde arrumaram tantos títulos religiosos ostensivos?

 

 

clip_image002

Desc.: Memorial ao Reverendo David Dickson, na parede exterior da Igreja de St Cuthbert, em Edimburgo. Data: 1840. Autor: Alexander Handyside Ritchie (1804-1870). Reprodução: Ad Meskens. Data: 14/08/2010. Fonte. Licença CC BY-SA.

 Título religioso é a denominação que uma pessoa recebe dentro de uma organização religiosa. Pode ser relacionado com a sua função ou apenas honorífico.

 

Algumas pessoas gostam de ser chamadas pelo título religioso para serem honradas, enobrecidas, veneradas... Os escribas e fariseus gostavam de aparecer. Além de muitas outras coisas, eles gostavam de ser chamados de Rabi, palavra hebraica que significa mestre. (Mateus 23.1-7.) [1].

 

Jesus não deu nenhuma designação honorífica para nenhum cristão. Aliás, ele disse: “Não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos. E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus. Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso Mestre, que é o Cristo. Porém, o maior de entre vós será vosso servo. E o que a si mesmo se exaltar será humilhado; e o que a si mesmo se humilhar será exaltado.” (Mateus 23.5-12, RC.) [2].

 

No princípio da igreja, não havia títulos. Apóstolo, diácono, ancião, presbítero ou bispo não eram títulos, mas apenas o nome de certas funções. Ninguém era chamado com nenhum título juntamente com o nome. [3]. Por isso, na Bíblia, não encontramos expressões como: “apóstolo Pedro”, “apóstolo Paulo”, “diácono Estêvão”, “cooperador Timóteo”, “mestre fulano”, “presbítero sicrano”. Entretanto, por causa da fome de títulos que virou uma tradição doentia, hoje muitos têm a mania de chamar os humildes homens do Novo Testamento pelo título. Tornou-se, então, costume chamar todos os líderes pelo título: Padre Antônio, Bispo José, Papa Paulo, Pastor Miguel, Presbítero Raimundo, Diácono Feliciano, Reverendo Silva, Apóstolo Benedito, etc.

 

 

clip_image004

Descrição: Augustus of Prima Porta.  Data: século I. Autor: artista desconhecido. Foto: Till Niermann. Data da foto: 20 de outubro de 2007. Fonte. Licença CC BY-SA.

Como sabemos, o Império Romano dominou o mundo antigo por muitos séculos. Era um ambiente carregado de títulos. Exemplos:

 

·       Pater Patriae (Pai da Pátria). Título honorífico concedido aos imperadores romanos. [4].

·       Augusto. Mais um título honorífico para os imperadores. Significa venerável, majestoso. [5].

·       Pontifex maximus (Pontífice Máximo). Título usado pelos imperadores indicando que cada um era o maior sacerdote ou a maior autoridade religiosa do império. [6].

·       Primus inter pares (primeiro entre iguais). Título para indicar uma pessoa maior entre outras do mesmo nível ou ofício. [7].

·       Princeps (Príncipe ou 'Primeiro Cidadão). Título honorífico usado pelo imperador, demonstrando que ele era o cidadão mais importante. [8].

·       Princeps senatus (Príncipe do Senado) era o título do líder do senado romano. [9].

·       Dominus Noster (Nosso Senhor). Ouro título honorífico indicando que a pessoa estava acima de tudo. [10].

 

A igreja, desenvolvida dentro do Império Romano, deveria ter influenciado os seus cidadãos com o evangelho da humildade, em vez de deixar que os costumes altaneiros do império a influenciassem. Mas, infelizmente, a ostentação romana contaminou a cristandade.

 

A igreja não deveria ser um ambiente onde as pessoas recebem títulos honoríficos, distinguindo-as umas das outras. Nem Jesus e nem a igreja primitiva inventaram nomes para agraciarem as pessoas envolvidas na obra de Deus. Mas com o tempo, a Igreja foi se transformando numa organização religiosa e acabou desenvolvendo uma hierarquia de líderes. Os termos usados na igreja primitiva e outros inventados ou retirados do ambiente romano se tornaram títulos para designarem as funções, os diversos graus hierárquicos e para honrarem aqueles que se destacavam. Vamos ver os diversos títulos carregados de glória.

 

·       Apóstolo. Jesus escolheu doze discípulos para serem treinados e enviados para proclamarem o seu evangelho. Esses doze foram chamados de apóstolos. (Lucas 6.13.) [11]. A palavra apóstolo não era nenhuma denominação honorífica. Essa palavra grega significa mensageiro. [12]. Não era um título, mas uma função. Algumas igrejas acham que não existem mais apóstolos. Por outro lado, alguns defendem a existência dessa função e fazem questão de chamar certas pessoas de apóstolo. [13]. Alguns estão ostentando esse título com os seus nomes, dando a entender que estão acima dos demais. Não defendem o termo por causa da função que exercem, mas porque estão interessados no título honorífico que ele representa. Querem ser reconhecidos acima dos pastores e bispos. São bem diferentes de Paulo que disse ser “o menor dos apóstolos” (1 Coríntios 15.9.) [14]. “Porque me parece que Deus pôs a nós, os apóstolos, no último lugar. Somos como as pessoas condenadas a morrer em público, como espetáculo para o mundo inteiro, tanto para os anjos como para os seres humanos.” (1 Coríntios 4:9, NTLH.) [15].

 

·       Diácono. No livro dos Atos dos Apóstolos, podemos ver que algumas pessoas foram escolhidas para auxiliarem os apóstolos, cuidando dos pobres, das viúvas e dos necessitados em geral. Eles foram chamados de diáconos. Essa palavra, do grego diákonos, significa servo. (Atos 6.1-8; 1 Timóteo 3.8-13.) [16]. Também era uma função. Não era um título de honra. Mas com o tempo, os diáconos deixaram de fazer o que antes faziam. E o termo acabou se transformando mais num título dentro da hierarquia, perdendo aquela idéia de servo ligado às obras assistenciais.

 

·       Presbítero ou ancião. Os supervisores das comunidades cristãs foram chamados pelo termo de presbíteros, do grego presbyteros, e significa mais velhos. Por isso eram também chamados de anciões. Mais tarde, eles passaram a ser chamados de bispos, do grego apískopos, significando supervisores, superintendentes. [17], [18], [19], [20].

 

No princípio, não existia nenhuma diferença entre esses três termos. Com o surgimento da hierarquia eclesiástica, o termo presbítero acabou se tornando um título usado para designar quem estava acima dos diáconos e abaixo dos bispos. A partir do início do II século, essa diferença foi se acentuando. [21]. E outros temos surgiram para substituírem os nomes originais. Observe.

 

image

Descrição: Padre. Data: março/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

 

·       Padre. Essa palavra, do latim pater, significa pai. [22]. Apesar de Jesus ter dito que não podemos chamar ninguém de nosso pai, no sentido religioso, porque um só é o nosso Pai, o qual está no céu, conforme Mateus 23.9, desde os primeiros séculos, surgiu o título de pai (padre). [23]. No século IV, esse título se estendeu a todos os presbíteros e bispos. [24]. Mas o padre, propriamente dito, é aquele que cuida de uma igreja local, chamada de paróquia, ocupando a posição que seria do presbítero.

 

·       Sacerdote. Entre o final do século II e o início do século III, Clemente de Alexandria, Tertuliano, Hipólito e Cipriano começaram a considerar os bispos como se fossem sacerdotes semelhantes aos sacerdotes do Antigo Testamento. A partir de então, os bispos e depois os padres passaram a ser chamados de sacerdotes. (Veremos isso com mais detalhes na mensagem sobre sacerdotes.

 

Como já vimos na mensagem sobre hierarquia, o padre ainda pode ser, de acordo com as suas atividades, chamado de:

 

·       Capelão. [25].

·       Pároco. [26].

·       Mestre-escola. [27].

·       Chantre. [28].

·       Cônego. [29].

·       Decano ou Deão. [30], [31].

·       Vigário. [32].

·       Arcediago vigário ou arquidiácono. [33].

·       Vigário-geral. [34].

·       Monsenhor. [35].

·       Prefeito apostólico. [36].

 

·       Bispo. Esse termo se tornou o título daqueles que se consideravam acima dos presbíteros, embora antes não significasse nenhuma função superior. No catolicismo e em várias outras igrejas, os bispos estão acima daqueles que são ou seriam os presbíteros. Esses cuidam de uma região composta de várias paróquias, chamada de diocese no Ocidente ou eparquia no Oriente. [37]. Ele ainda pode receber outros títulos como:

 

clip_image008

Descrição: Bispo. Data: ? Autor: Pearson Scott Foresman. Fonte e licença DP.

 

·       Prelado. [38].

·       Bispo auxiliar. [39].

·       Bispo coadjutor. [40].

·       Bispo diocesano. [41].

·       Bispo emérito. [42].

·       Bispo titular. [43], [44].

·       Eparca. [45], [46].

·       Vigário apostólico. [47].

·       Ordinários. [48].

·       Exarca. [49].

 

·       Arcebispo. É um bispo católico que comanda uma arquidiocese. [50]. Pode também ter outros títulos como:

 

·       Prior. [51].

·       Arcebispo coadjutor. [52].

·       Arcebispo diocesano. [53].

·       Núncio apostólico. [54].

·       Arcebispo metropolitano. [55].

·       Arcebispo titular. [56].

·       Arcebispo ad personam. [57].

·       Arcebispo emérito. [58].

·       Arcebispo-Mor. [59].

·       Arcebispo primaz. [60].

 

·       Patriarca. A partir do segundo século, os bispos das principais metrópoles romanas (Antioquia na Síria, Alexandria no Egito, Roma, Constantinopla e Jerusalém) se consideravam acima dos demais bispos. Esses, mais tarde, por volta do século V, receberam o título de patriarca, principalmente nas igrejas orientais. São dirigentes de grandes regiões eclesiásticas chamadas de patriarcados. [61].

·       Catholikós. Em algumas igrejas orientais nestorianas e georgianas, os patriarcas são chamados de catholikós. [62].

 

·       Cardeais. Com o tempo, surgiu uma classe de bispos, considerados superiores aos arcebispos, chamados de cardeais. Esses são responsáveis pela eleição do Papa e dele são colaboradores. Podem também ser candidatos a Papa. A palavra cardeal vem do latim cardinale e significa principal. É também uma designação honorífica. Além disso, podem receber outras designações:

 

·       Príncipes ou principais da igreja. Os cardeais também receberam esse título criado pelo papa Bonifácio VIII, no século XIII.  (Será que, diante do evangelho original, podemos dizer que alguns são os principais?)

·       Cardeal-diácono. [63].

·       Cardeal-presbítero ou cardeal-padre. [64].

·       Cardeal-bispo. [65].

·       Camerlengo. [66].

·       Purpurado. Por causa da roupa vermelha. [67].

 

·       Papa. O bispo ou patriarca de Roma disputou a liderança suprema, tornando-se o chefe máximo da Igreja Católica. Da expressão latina pater patrum, que em português significa pais dos pais, foi tirado a primeira sílaba das duas palavra, formado a palavra papa. [68], [69]. Esse ainda possui outros títulos:

 

·       Sumo Pontífice. Como já vimos noutra mensagem, o imperador romano Constantino, quando abraçou o cristianismo, acabou se tornando uma espécie de líder máximo da igreja. Foi ele quem introduziu um monte de coisas pagãs no cristianismo e, inclusive, adotou o título pagão de Pontifex Máximus (Sumo Pontífice). Esse era o título do sumo sacerdote da antiga religião romana. Ele se sentia como se fosse o sumo sacerdote do cristianismo, uma vez que os bispos eram chamados de sacerdotes. [70], [71], [72]. Mais tarde, esse título foi abandonado. Mas no século VI, o papa Gregório I resolveu assumir o título de Sumo Pontífice, afinal, com a queda do Império Romano do Ocidente no século V, não tinha mais imperador acima dele. Esse título então passou a ser utilizado pelos demais papas. [73]. Segundo a crença, todos os padres são sacerdotes, mas o Santo Padre é o Sumo Sacerdote. Isso não tem nada a ver com o evangelho original de Jesus. Afinal, Jesus é o único e eterno sumo sacerdote, o cabeça da igreja, conforme demonstra a epístola aos Hebreus. [74].

·       Vicarius Christi (Vigário de Cristo). O papa Inocêncio III criou o título dando a entender que o papa é um representante de Cristo no mundo. [75], [76].

·       Servus Servorum Dei (Servo dos Servos de Deus). [77]. Esse título foi inventado pelo papa Gregório I. [78].

·       Príncipe dos Apóstolos. Esse foi tirado dos títulos romanos, lembra? [79]

·       Patriarca do Ocidente. [80].

·       Santo Padre, Santíssimo Padre, Beatíssimo Padre. O papa é também um padre. Mas para diferenciá-lo dos outros, ele recebeu o título de santo padre. [81]

 

·       Outros títulos. Além desses, há outras denominações honoríficas como:

 

·       Antístite. Mesmo sendo um título sacerdotal de origem pagã, entre gregos e romanos, os líderes da Igreja também podem receber esse nome. [82], [83].

·       Dom. O tratamento honorífico de Dom, usado pelos os reis europeus, também virou tratamento para bispos e arcebispos. Do latim dominus, significa "senhor", "dono".  Por isso, um bispo é chamado de Dom fulano. [84].

·       Magno. Muitos receberam o título de magno, que é o cognome para pessoas grandes e importantes. [85].  Exemplos: Alberto Magno, papa Nicolau I Magno, Gregório Magno (Papa Gregório I). [86], [87], [88].

·       Reverendo. Do latim reverendu(m) quer dizer digno de reverência, de respeito e de honra. [89], [90].

·       Abuna. Usado por padres na Igreja Oriental e bispos na Igreja Etíope. Significa  “nosso pai”. [91].

·       Arquimandrita. Título de honra concedido a um sacerdote oriental equivalente ao titulo de Monsenhor da Igreja Católica. [92].

·       Protossincelo. Título honorífico dado a um sacerdote da Igreja Oriental. [93].

 

·       Muitas ordens religiosas do sexo masculino e feminino foram criadas juntamente com novos títulos como:

 

·       Prior. [94].

·       Frade superior ou abade. [95].

·       Prioresa. [96].

·       Madre superiora  ou abadessa. [97].

·       Frade. [98].

·       Freira ou sóror. [99].

·       Noviço ou noviça. [100], [101].

·       Monge ou monja. [102].

 

image

Descrição: Noticiário sobre o líder máximo da Igreja. Data: abril/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

 

Além de tudo isso, contrariando a humildade proposta por Jesus, ainda arrumaram pronomes de tratamento especiais, carregados de louvor, como aqueles usados pelas autoridades deste mundo. Vejamos:

 

·       Papa: Vossa Santidade (V. S.). Falando sobre ele se diz: Sua Santidade. No vocativo: Santo Padre.

·       Cardeais: Vossa Eminência (V. Ema.) ou: Vossa Eminência Reverendíssima (V. Ema Revma.). No vocativo: Eminentíssimo Senhor Cardeal ou Eminentíssimo e Reverendíssimo Senhor Cardeal.

·       Patriarcas das igrejas sui juris orientais e patriarcas da ortodoxia: Vossa Beatitude.

·       Bispos e arcebispos: Vossa Excelência Reverendíssima (V. Ex.ª Revma.). No vocativo: Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Bispo (arcebispo).

·       Monsenhores, cônegos e superiores religiosos: Vossa Reverendíssima (V. Revma.).  No vocativo:Reverendíssimo Senhor...

·       Superiores de ordens religiosas: Vossa Paternidade.

·       Sacerdotes, prelados, padres e madre superiora: Vossa Reverência (V. Reva.). No vocativo: Reverendo Padre. Reverenda Madre. [103],[104], [105], [106].

 

Continuaremos no próximo post.

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br



[55] Ibidem

[56] Ibidem

[57] Ibidem

[58] Ibidem

[59] Ibidem

[60] Ibidem

[70] http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Roman/Texts/secondary/SMIGRA*/Pontifex.html

[71] http://www.newadvent.org/cathen/12260a.htm#V

[100] Ibidem