Templos (parte II)

Continuação do post anterior.

 

Livres dos Fardos Religiosos.

 

Na antiga Mesopotâmia, como já vimos, em cada cidade-estado, havia um templo dedicado a uma divindade. O povo acreditava que os deuses moravam nessas construções. Por isso, eles colocavam, nesses locais, as estátuas de seus deuses. Ali também eram oferecidos os sacrifícios e outros rituais. [1].

 

 

clip_image002[4]

Descrição: Reconstrução feita por computador do Zigurate de Ur-Nammu, fisicamente reconstruído e parcialmente preservado até hoje. Essa imagem foi baseado em um desenho de 1939 por Leonard Woolley, escavações de Ur, Volume V. Data: 06 de julho de 2006. Autor: wikiwikiyarou. Fonte e licença DP.

 

Há aproximadamente 2000 anos antes de Cristo, Abraão, o patriarca dos hebreus, saiu da Suméria, região sul da Mesopotâmia (sul do Iraque hoje) mais precisamente da cidade-estado de Ur dos Caldeus e foi para Harã, no norte da Mesopotâmia. (Gênesis 11.31.) [2], [3], [4]. Depois de algum tempo, ele, sua esposa Sara, seu sobrinho Ló e outras pessoas foram para Betel, na terra de Canaã (Palestina). (Gênesis 12.1-8.) [5] Abrão deixou uma terra, onde as pessoas adoravam vários deuses estranhos, e foi adorar o único Deus em outras terras. (Josué 24.2-3.) [6]. Em sua cidade natal, ele deixou o Grande Zigurate de Ur, construído pelo rei Ur-Nammu mais ou menos na sua época (século XX a.C.). [7]

 

 

image

01. Ur. 02 Harã. 03. Betel.

Descrição: Rota de Abraão de Ur até Canaã. Data: Abril/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

 

Mais tarde, em Canaã, ele teve um filho, que recebeu o nome de Isaque. (Gênesis 21.1-8) [8] De Isaque nasceu Jacó. (Gênesis 25.19-26.) [9] De Jacó nasceram doze filhos e uma filha. (Gênesis 30.21; 35.22-26.) [10]

 

Abrão, Isaque e Jacó não tinham templos para adorarem a Deus. Eles o adoraram construindo altares ao ar livre. (Gênesis 12.5-8; 13:18; 22.9; 26:25; 33:20; 35:6-7.) [11] Eles, certamente, não tiveram como construir nenhum zigurate como aqueles da antiga Suméria de onde Abrão viera. Mas seguiram o costume de realizar sacrifícios de animais a céu aberto. 

 

clip_image006[4]

Descrição: Altar de Abraão. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

Depois de algum tempo, por volta do ano 1700 a.C. (data incerta) houve um período de grande fome no Oriente Médio. (Gênesis 41.53-57.) [12], [13] Por causa disso. Jacó e os seus filhos foram morar no Egito, onde havia bastante comida armazenada. Eles se estabeleceram numa região muito boa, na terra de Gósen, no delta do rio Nilo, do lado Oriental. (Gênesis 46; 47.1-12.) [14], [15] No meio desse povo, naquele lugar, não temos notícias de nenhum templo dedicado ao Deus de Abraão, Isaque e Jacó, mas certamente havia altares por lá.

 

Ali, com passar dos anos, a descendência de Jacó se multiplicou. (Êxodo 1.7.) [16] Mais tarde, por volta do século XIII ou XV antes de Cristo, sua descendência já era bem grande. O faraó daquele tempo, temendo que os hebreus ficassem bastante fortalecidos a ponto de quererem dominar a terra do Egito, resolveu escravizá-los e eliminar todos os filhos que nascessem deles, mandando que fossem atirados todos os recém-nascidos do sexo masculino no rio Nilo.

 

Nessa época, nasceu um menino entre os hebreus que, para ser salvo, foi colocado numa arca, que foi deixada entre os juncos, à beira do rio, próximo ao lugar onde a filha do faraó tomava banho. Então a filha do rei resgatou o menino e o criou. Esse criança recebeu o nome de Moisés, um dos famosos homens da Bíblia. (Êxodo 2.1-10.) [17]

 

Moisés, depois que se tornou adulto, recebeu de Deus a missão de libertar o seu povo do Egito, levando-o de volta para a terra de Canaã. (Êxodo 3.) [18]. Depois de muita insistência com o faraó, ele conseguiu retirar os hebreus de lá. (Êxodo 12.37-51) [19] No monte Sinai, Moisés preparou um conjunto de leis para o seu povo seguir. (Êxodo 19; 20) [20].

 

 

image

01. Gósen no Egito. 02. Monte Sinai. 03. Mar Vermelho. 04. Mar Morto. 05. Canaã.

Descrição: O Êxodo. Data: Abril/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

 

Moisés, que havia nascido no Egito e que tinha sido criado na corte de Faraó, acabou aprendendo várias tradições religiosas daquele povo, como a construção do tabernáculo, por exemplo, que foi construído seguindo o modelo dos templos egípcios.

 

Basicamente, um templo egípcio era construído da seguinte forma:

 

01. Pátio. O templo era cercado ao redor por um muro com o objetivo de protegê-lo. [21]

02. Pátio de oferendas. Nesse lugar, onde todos podiam entrar, eram realizadas as oferendas aos deuses. [22], [23]

03. Salas hipostilas. Nesses locais, somente entravam os sacerdotes e o faraó para realizarem diversas atividades religiosas. [24], [25]

04. Santo dos Santos. Nesse parte mais íntima, ficava a imagem do deus do templo. Aqui apenas o sumo sacerdote e faraó tinham acesso.  [26], [27], [28] (Mais referências sobre os templos egípcios: [29], [30], [31], [32], [33], [34], [35], [36], [37], [38], [39], [40], [41], [42].)

 

 

image

Descrição: Esquema básico do templo egípcio. Data: Abril/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

 

O santuário (tabernáculo) de Moisés. O libertador Moisés, vagando com o seu povo pelo deserto, em busca da terra prometida, mandou construir um tabernáculo, um santuário portátil, em forma de tenda, feito de madeira de acácia, ouro, prata, bronze, cortinas de algodão, linho fino, pêlo de cabra, peles de carneiro e golfinho. Nesse lugar, o povo adorava a Deus, e ali eram realizados as ofertas e os sacrifícios. Havia três repartições: uma descoberta, o pátio, e duas cobertas, o Lugar Santo e o Lugar Santíssimo ou Santo dos Santos. (Êxodo 25; 26; 27; 36; 37; 38.) [43], [44].

 

 

image

Legenda: 01. Pátio. 02. Lugar Santo. 03. Santo dos Santos. 04. Portão de entrada do pátio. 05. Altar para queima de ofertas (altar de sacrifícios). 06. Pia. 07. Porta de entrada do santuário. 08. Mesa de pães. 09. Menorah. 10. Altar de incenso. 11. Véu de separação. 12. Arca da aliança contendo uma vasilha com maná, a vara de Arão e as duas placas de pedra com os dez mandamentos.

Descrição: Mapa do santuário de Moisés. Data: abril/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

 

·       Pátio. Em volta desse tabernáculo, havia um pátio sem cobertura, fechado por cortinas de linho fino, sustentadas por varas de bronze, medindo cerca de 50 x 25 metros, dando um total de 1250 m2. Nesse pátio, ficavam:

·       Uma pia de bronze com água;

·       Um altar de madeira de acácia, revestido de bronze para a realização de sacrifícios. Nesse altar, havia fogo constantemente.

 

Além dos sacrifícios, nesse pátio, eram realizadas as demais atividades religiosas públicas. (Êxodo 27:9-18.) [45], [46] Ele imitou os templos egípcios, que também eram rodeados por um pátio.

 

 

image

Descrição: O santuário dentro do pátio com o altar de sacrifícios e a pia com água. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

clip_image004[10]

Descrição: Pia de bronze com água. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

clip_image006[10]

Descrição: Altar de sacrifícios. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

·       O Santo Lugar. O santuário propriamente dito era uma área dividida em dois cômodos. A primeira parte, chamada de Santo lugar, era um cômodo de aproximadamente 10 metros de comprimento, 5 de largura e 5 de altura. Era, pois, um espaço de 50 m2. [47] Nesse espaço, ficavam:

·       Uma mesa de madeira de acácia, chapeada de ouro, onde eram colocados os pães oferecidos a Deus;

·       Um candelabro de ouro maciço com sete lâmpadas que permanecia aceso, no santuário, durante toda noite. (Levítico 24.2-3.) [48]

·       Um altar de madeira de acácia, todo coberto de ouro, onde era queimado incenso todos os dias. [49].

 

Essa parte podia ser comparada com as salas hipostilas dos templos egípcios. Assim como era no Egito, nesse lugar não podia entrar ninguém além dos sacerdotes.

 

 

image

Descrição: A mesa com os pães oferecidos a Deus. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

image

Descrição: Candelabro. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

image

Descrição: Altar de incenso Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

·       O Santo dos Santos ou Santíssimo Lugar. A segunda parte, chamada de Santo dos Santos ou Santíssimo Lugar, era um cômodo menor com a medida aproximada de 5 x 5 x 5 metros. Era uma área de 25 m2. [50] Os dois compartimentos eram separados por uma cortina (véu) de linho fino. Nesse lugar, ficava a arca da aliança, que era uma caixa de madeira de acácia, coberta de ouro, contendo:

·       Uma vasilha com maná;

·       A vara de Arão;

·       As duas placas de pedra com os dez mandamentos.

Sobre ela, havia:

·       Um propiciatório de ouro puro;

·       Dois querubins, também de ouro, de asas abertas, virados um para o outro. [51].

 

Nesse lugar mais íntimo, nos templos egípcios, como vimos anteriormente, era colocada a imagem do deus do templo. Como os hebreus foram proibidos de terem imagens de escultura, então aqui foi colocada a arca da aliança, que simbolizava a presença de Deus. (Êxodo 20.2-6; 25:10-22.) [52],

 

 

clip_image026[4]

Descrição: A arca da aliança no Santo dos Santos. Data: 1984. Autor: Jim Padgett. Fonte. Licença CC BY-SA.

 

É interessante observar que Moisés seguiu mais ou menos a estrutura dos templos egípcios. A diferença é que ele colocou uma arca para representar Deus, no lugar de alguma imagem de escultura de qualquer divindade egípcia. Todavia, diferente dos egípcios, que construíram templos de alvenaria, ele mandou construir esse santuário em forma de tenda, pois nessa época, após saírem do Egito, os hebreus se tornaram nômades, acampando aqui e ali pelo deserto. Sendo assim, não podiam construir um templo de pedra como fizeram o povo do Egito. Essa tenda sagrada ou santuário foi usado durante quase 500 anos, até o reinado de Salomão, quando foi construído o templo de Jerusalém.

(I Reis 6.1) [53], [54]

 

Como podemos ver, tanto Abraão como Moisés realizaram reformas religiosas, mudando algumas coisas. Mas nenhuma reforma é completa, caso contrário não seria uma reforma, mas uma obra totalmente nova. Sendo assim, as reformas religiosas desses homens não impediram que costumes antigos das religiões da Suméria e do Egito ainda fossem preservados como, por exemplo: os sacrifícios de animais, as oferendas de alimentos, a casta sacerdotal hierarquizada, rituais de purificação, o santuário com espaço íntimo para a divindade, restrição do acesso de pessoas comuns aos locais mais internos do santuário, etc.

 

Continuaremos no próximo post.

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br