Translate, traduzir

Conselho de anciões (presbíteros, bispos, pastores) Parte II

Continuação do post anterior.

 

Livres dos Fardos Religiosos.

 

Na igreja primitiva, não havia líderes dominadores. Ninguém agia como se fosse dono da igreja, pois ela era dirigida pelo Espírito Santo de Deus. Cada cristão era visto como um sacerdote. (I Pedro 2.5 e 9; Apocalipse 1.6 e 5.10.) [1]. Então todos, como já vimos noutra mensagem, tinham o direito de serem sacerdotes uns dos outros, não realizando rituais, mas com a obrigação de:

 

·       Ajudar uns aos outros. (João 13:14; Romanos 12.15; 15.1-2; Gálatas 05:13; 6.2; 06:10; 1 Tessalonicenses 05:13; 5:15; Hebreus 13:16; Tiago 5:16; 1 Pedro 5:5.) [2].

·       Edificar uns aos outros (Romanos 14:19; 1 Pedro 4:10.) [3].

·       Encorajar uns aos outros. (Efésios 5:19; 1 Tessalonicenses 4:18; 5:11; 5.13; Hebreus 3:13; 10:25.) [4].

·       Exortar, aconselhar, admoestar, corrigir e ensinar uns aos outros (Mateus 18.15-17; Romanos 15.14; Gálatas 6:1; 1 Tessalonicenses 5:13; Colossenses 3:16.) [5].

 

 

image

Descrição: Somos sacerdotes uns dos outros II. Data: março/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

No Antigo Testamento, os anciões atuavam juntamente com os sacerdotes. Mas eles, os anciões, não eram chefes da classe sacerdotal. Hoje, todos nós, incluindo até mesmos os anciões, somos sacerdotes uns dos outros. Como no passado, os anciões devem ajudar a todos nós que somos sacerdotes, sem jamais nos dominar.

 

A comissão de pastores (anciãos) da igreja primitiva era um grupo de supervisores acompanhando o dia a dia da igreja local, impedindo desvios e procurando soluções sábias para os problemas que surgiam. Não atuavam como gerentes de igrejas e não agiam como se fossem sacerdotes místicos, como têm acontecido na contemporaneidade.

 

Paulo diz que Jesus concedeu dons às pessoas. Escolheu uns para serem apóstolos, outros para serem profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres. (Efésios 4.8-14.) [6]. Então, os presbíteros não eram pessoas que faziam cursos teológicos, ganhavam um diploma de pastor, recebiam uma ordenação, mediante um ritual solene e assumiam o cargo de liderança, tornando-se cabeças da igreja local, ganhando altos ou baixos salários. Eram apenas servos da igreja como todos devemos ser servos uns dos outros. Não eram, como hoje, funcionários preeminentes das igrejas. Não eram trazidos de fora. Eram simples irmãos dentro das igrejas locais, que se reuniam nas casas, mas que tinham o dom e a maturidade para supervisionarem o povo de Deus, dentro da simplicidade do evangelho original de Jesus, que não tem nenhuma carga de rituais difíceis que exija um profissional religioso qualificado por algum diploma teológico.

 

Pessoas com esse dom são facilmente identificadas. Elas são sábias, têm habilidade para ensinar e exortar, procurando evitar que as diversas ovelhas se desviem do bom caminho. Sempre encontramos pessoas desse tipo. O Espírito Santo de Deus escolhia (e ainda escolhe) essas pessoas internamente. Os apóstolos percebiam esse dom nas pessoas e confirmavam-nas como pastores para que todos pudessem respeitá-las como tal. Eles iam embora, pregar em outros lugares, e eles ficavam supervisionando o grupo local. Aquele ato de reconhecer quem podia ser presbítero não era uma ordenação cheia de formalidades, pomposa e demorada como hoje, mas uma simples confirmação. “Em cada igreja, os apóstolos escolhiam presbíteros. Eles oravam, jejuavam e entregavam os presbíteros à proteção do Senhor, em quem estes haviam crido.” (Atos 14.23, NTLH.) [7].

 

Mas eles não se precipitavam nessa confirmação. No passado, muitos anciãos cometerem erros, como o julgamento de Jesus, por exemplo. Então, para ser um ancião da igreja não bastava ser velho: tinha que ter certas qualidades, que Paulo descreveu para Timóteo e Tito, seus cooperadores, para que eles pudessem escolher corretamente esses homens. (I Timóteo 3.1-7; Tito 1:5-9) [8].  Veja quais são os requisitos para que um ancião possa ser escolhido para ser um dos presbíteros da igreja.

 

è

Irrepreensível

è

Esposo de uma só mulher

è

Moderado

è

Prudente

è

Simples

è

Hospitaleiro

è

Apto para ensinar

è

Não bebedor de vinho

è

Não briguento

è

Pacífico

è

Calmo

è

Não avarento

è

Bom pai de família

è

Criação dos filhos sob disciplina e respeito

è

Não convertido há pouco tempo

è

Respeitado por todos

Descrição: Requisitos para se tornar um presbítero (ancião) da igreja. Data: março/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

 

Hoje em dia, essas coisas pouco importam. Pessoas de qualquer idade, inexperientes, briguentas, orgulhosas, novas na fé, gananciosas, que não sabem cuidar dos filhos e que não têm boa reputação têm sido ordenadas como líderes de igreja. O que importa para muitos é o diploma na mão, o conhecimento dos dogmas e a habilidade para discursar. Em muitas igrejas neopentecostais, o que mais importa é se a pessoa tem habilidade para realizar trabalhos carregados de misticismos e destreza na hora de recolher dízimos e ofertas. Muitos líderes de igrejas de hoje não passariam no teste proposto por Paulo.

 

Depois de confirmados com o dom de pastorear, os presbíteros da igreja primitiva não eram tratados como os líderes de hoje. Eles não tinham nenhum destaque entre os demais cristãos. Quando os apóstolos escreviam as suas cartas às diversas igrejas, eles não as enviavam em nome de nenhum líder. Os apóstolos sempre se dirigiam à igreja de modo geral e não aos supostos líderes superiores. Veja o que eles disseram no início de cada uma de suas cartas.

 

image

Descrição: Cartas de Paulo dirigidas a todos e não aos presbíteros supostamente tratados como diretores de igrejas locais. Data: março/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

 

·        “A todos os amados de Deus, que estais em Roma.” (Romanos 1.7, RA.) [9].

·        “À igreja de Deus que está em Corinto.” (I Coríntios 1.2, RA.) [10].

·        “À igreja de Deus que está em Corinto, com todos os santos que estão em toda a Acaia.” (2 Coríntios 1.1, RA.) [11].

·        “Às igrejas da Galácia.” (Gálatas 1.2, RA.) [12].

·        “Aos santos que vivem em Éfeso.” (Efésios 1.1, RA.) [13].

·         “Aos santos e fiéis irmãos em Cristo que se encontram em Colossos.” (Colossenses 1.2, RA.) [14].

·        “À igreja dos tessalonicenses.” (I Tessalonicenses 1.1 e II Tessalonicenses 1.1, RA.) [15].

·        “Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos que se encontram na Dispersão, saudações. Meus irmãos...” (Tiago 1.1-2, RA.) [16].

·         “Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, aos que conosco obtiveram fé igualmente preciosa na justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo.” (2 Pedro 1.1, RA.) [17].

·        “Judas, servo de Jesus Cristo e irmão de Tiago, aos chamados, amados em Deus Pai e guardados em Jesus Cristo.” (Judas 1.1, RA) [18].

 

Se fosse dentro da visão da igreja institucionalizada de hoje, Paulo escreveria assim: “Ao pastor José Pedro da Igreja Pentecostal Rios de Águas Vivas da cidade de Serra Bonita.” “Ao padre Pedro Passos da Paróquia de Bom Jesus em Matas Verdes. (São apenas exemplos. Esses nomes são fictícios.) Mas Paulo não se dirigia a nenhum líder de igreja local porque eles não existiam dentro da mesma visão moderna. Ele se dirigia à igreja em geral.

 

É interessante ver os apóstolos falarem de tantas coisas importantes sem se dirigirem aos supostos dirigentes das igrejas locais. Veja as únicas vezes em que há uma fala diretamente com os presbíteros.

 

·        Paulo na despedida dos presbíteros de Éfeso. Atos 20.7-38. [19] Vou destacar o verso 28: “Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue.” (RA.) É claro que Paulo não estava falando de um bispo para pastorear no sentido moderno, atuando como cabeça ou até mesmo como dono de uma igreja local, ou regional, ou nacional, ou até mesmo internacional. Ele estava falando com um conselho de anciãos de uma mesma igreja, amadurecidos, preparados, cheios de experiências, para ajudarem a igreja nos momentos mais complicados.

 

·        Paulo aos Filipenses: “A todos os santos em Cristo Jesus, inclusive bispos e diáconos que vivem em Filipos.” (Filipenses 1.1, RA.) [20]. Somente aqui ele faz uma leve citação, em segundo lugar, dos bispos e diáconos. Em todas as demais cartas dirigidas às igrejas, Paulo não fala nada para os presbíteros diretamente.

 

·        A carta de Pedro: “Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos eleitos que são forasteiros da Dispersão no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia.” (1 Pedro 1.1, RA.) [21]. Observação interessante. Nessa carta, Pedro aproveita para mandar uma mensagem para os presbíteros. Mas onde ela está? No final da carta. Isso mesmo! No final, ele disse o seguinte: “Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co-participante da glória que há de ser revelada: pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho.” (1 Pedro 5.1-3, RA.) [22]. Se fosse hoje, eles seriam mencionados no início da carta, inclusive com o nome de cada um.

 

As palavras bispo, bispos, presbítero, presbíteros e pastores, todas se referindo aos anciões, aparece na Bíblia Almeida Revista e Atualizada apenas 23 vezes.

 

·       Bispo: 1 Timóteo 3:2; Tito 1:7. [23].

·       Bispos: Atos 20:28; Filipenses 1:1. [24].

·       Presbítero: 1 Timóteo 5:19; 1 Pedro 5:1; 2 João 1:1; 3 João 1:1. [25].

·       Presbíteros: Atos 11:30; Atos 14:23; Atos 15:2;  Atos 15:4; Atos 15:6;  Atos 15:22 ; Atos 15:23 ; Atos 16:4; Atos 20:17; Atos 21:18; 1 Timóteo 5:17; Tito 1:5; Tiago 5:14; 1 Pedro 5:1. [26].

·       Pastores: Efésios 4:11. [27] 

 

Em nenhuma dessas citações, eles são tratados como os pastores e os padres das igrejas modernas. Por outro lado, em Atos dos Apóstolos e em todas as cartas, encontramos a palavra irmãos mais de 180 vezes. Tudo é tratado diretamente com eles sem o intermédio de pastores.

 

Antes que alguém diga que Timóteo, Tito e Filemon receberam cartas pessoais de Paulo, é bom deixar bem claro que esses três não eram presbíteros da igreja. Eles eram colaboradores na obra apostólica que Paulo realizava. (Romanos 16:21; 2 Coríntios 8:23; Filemon 1:1; I Timóteo 1.1-2; Tito 1.1-4; Filemon 1.1.) [28]. Por isso, Timóteo e Tito foram orientados sobre a nomeação correta de presbíteros.

 

Aqueles que tinham o dom e os requisitos necessários supervisionavam a igreja com humildade, dentro daquilo que Jesus havia ensinado. Não ostentavam nenhum título honorífico. Eles sabiam que o cabeça mesmo era Jesus, e mais ninguém. Eles apenas eram servos, usando o dom que tinham para ajudar os outros a caminharem, seguindo os ensinamentos do verdadeiro Mestre. Não eram fundadores e nem dirigentes de impérios religiosos. Como os apóstolos pescadores, muitos eram iletrados, mas eram instruídos pelo Espírito Santo. Os que eram chamados de presbíteros (bispos ou anciões) não estavam acima do povo, dominando a igreja. Eles apenas a supervisionavam, procurando soluções sábias para certas questões. Veja o que diz Pedro na sua carta aos irmãos das igrejas nas províncias do Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia: “Eu, que também sou presbítero, dou agora conselhos aos outros presbíteros que estão entre vocês.” (1 Pedro 5:1a, NTLH. Grifo meu.) [29]. Note que ele não diz sobre, mas entre vocês. Ele disse mais: “Não procurem dominar os que foram entregues aos cuidados de vocês, mas sejam um exemplo para o rebanho.” (Pedro 5.3, NLTH.) [30]. Não era para eles dominarem os cristãos, mas serem um exemplo para eles. E Paulo disse aos tessalonicenses: “Irmãos, pedimos a vocês que respeitem aqueles que trabalham entre vocês, isto é, aqueles que foram escolhidos pelo Senhor para guiá-los e ensiná-los.” (I Tessalonicenses 5.12, NTLH. Grifo meu.) [31]. Aqui também Paulo, se estiver falando de anciões, fala de anciãos entre e não acima dos cristãos, com a tarefa de serem guias e instrutores da igreja, e jamais atuar como gerentes ou sacerdotes diferenciados. Mas, por outro lado, é mais provável que ele esteja falando, não de anciões, mas dele mesmo e dos seus cooperadores Silvano e Timóteo, citados no início das duas cartas. (1 Tessalonicenses 1.1; 2 Tessalonicenses 1.1.) [32]. O capítulo 3 de 1 Tessalonicenses fala da missão de Timóteo naquela igreja. [33]

 

 

clip_image006

Descrição: Estar sujeitos uns aos outros, principalmente aos mais idosos e idôneos. Data: março/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

A carta aos hebreus diz: “Obedecei a vossos pastores e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossa alma, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil.” (Hebreus 13:17, RC. Grifo meu.) [34]. Esse sujeitar não significava que eles dominavam o povo. Afinal, todos os cristãos devem se sujeitar uns aos outros. Foi o que diz Paulo para os efésios: “... sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus.” (Efésios 5:21, RC.) [35]. Ninguém está acima de ninguém. Estamos todos sujeitos uns aos outros. Por isso, a expressão uns aos outros aparece várias vezes no Novo Testamento, expressando uma profunda comunhão e a ausência de qualquer autoridade dominadora. Na igreja, todos devem viver uns para os outros. Todos devem estar sujeitos uns aos outros. A humildade permite isso acontecer. Mas o orgulho não. Por isso, o orgulhoso não está no evangelho de Jesus. Os primeiros cristãos cuidavam uns dos outros, numa profunda comunhão. Mas os pastores (chamados de presbíteros ou anciões) por causa da maturidade e da experiência que tinham, prestavam um cuidado maior de todo o grupo. É assim também que deve ser hoje. Dessa forma, é justo que a igreja aprenda a submeter-se aos conselhos e aos ensinos uns dos outros, principalmente dos mais amadurecidos, inclusive daqueles que foram reconhecidos como presbíteros da igreja. Observe o que disse Pedro: “Semelhantemente vós, jovens, sede sujeitos aos anciãos; e sede todos sujeitos uns aos outros e revesti-vos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes. (1 Pedro 5:5, RC.) [36]. Veja o que disse o bispo Inácio de Antioquia, no final do primeiro século: “Sejam submissos ao bispo e também uns aos outros, assim como Jesus Cristo se submeteu, na carne, ao Pai, e os apóstolos se submeteram a Cristo, ao Pai e ao Espírito, a fim de que haja união, tanto física como espiritual”. (Inácio de Antioquia. Carta aos Magnésios 13, 1-2, ano 107.) [37], [38].

 

 

Continuaremos no próximo post.

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br