Bom senso religioso

Livres dos Fardos Religiosos

  

Na antiga Grécia, tudo tinha uma explicação religiosa. Segundo a crença, o Sol era controlado pelo deus Hélios. [1]. A Lua era dirigida pela deusa Selene. [2]. O firmamento estava sob o comando de Urano, e a terra, da deusa Gaia. [3], [4]. Posêidon dominava os mares, e Hades reinava sobre os mortos no mundo subterrâneo. [5], [6]. Deméter era a divindade dos grãos e das colheitas, enquanto Hefesto regia o fogo. [7], [8]. Tudo tinha um fundamento religioso. Os gregos honravam os elementos da natureza, considerando tudo como forças divinas. [9]. Praticamente todo mundo seguia essas crenças. Era, basicamente,  o censo comum entre aquele povo.

 

 

clip_image002

Desc.: Eclipse. Data: Maio/2012. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.  

No século VI a.C., surgiu Tales de Mileto. Esse homem deixou de lado as crenças absurdas, as tradições e o censo comum e procurou analisar as coisas com bom senso. Para ele, o eclipse tinha uma explicação. Não tinha nada a ver com o mitológico deus Hélios. Segundo o historiador grego Heródoto, ele teria previsto um eclipse solar em 585 a.C. Nessa época, surgiu a filosofia ou o amor à sabedoria. [10].

 

Depois dele, surgiram muitos outros filósofos. Assim, as crenças dos gregos foram sendo transformadas em meras crendices, e as pessoas descobriram que o mundo é muito mais sublime, e que há um poder sobrenatural muito mais elevado. [11].

 

Bom senso é a faculdade de julgar, de raciocinar, de entender o que é falso e o que é verdadeiro, sem se deixar levar pelo que a maioria das pessoas pensa. É o uso correto da razão para julgar ou raciocinar cada coisa. Bom senso religioso é tudo isso voltado para os assuntos religiosos. É diferente do senso comum, que é o modo de pensar da maioria das pessoas imposto pelas tradições e aceito como verdade absoluta. [12].

 

As fantasias, as ilusões, os enganos, as hipóteses, os boatos e os mitos variados de diversas pessoas podem, às vezes, coincidir com a realidade, mas nem sempre mostram as verdades. Hoje, no meio religioso, em pleno século XXI, ainda temos muitos elementos religiosos absurdos enraizados na mente das pessoas e que fazem parte do senso comum. As pessoas, sem tempo ou sem o hábito de pensar, aceitam muitos desses elementos religiosos impostos pela tradição. Tudo isso abafa grandes verdades bem claras debaixo dos nossos olhos. Felizmente nem todos são assim. Além de Tales, muitos outros surgiram buscando verdades lógicas além do pensamento religioso comum.

 

·       No século XIX a.C., Abraão saiu da Mesopotâmia e foi para a Canaã. Não quis mais saber da mitologia mesopotâmica e procurou cultivar a fé no Deus único e invisível. [13], [14]. É claro que Abraão não fez tudo que precisava ser feito, mas deu um grande passo, deixando, de lado, os mitos do seu povo.

 

·       Há mais de seiscentos anos antes de Cristo, Zoroastro recusou as crendices baseadas no politeísmo da Pérsia e desenvolveu uma religião monoteísta bem diferente. [15].

 

·       A partir do século VI a.C., na Grécia, seguindo as trilhas de Tales, vários outros filósofos surgiram demonstrando que a religião dos gregos não expressava a realidade. [16].

 

·       Ainda no século VI a.C., na China, Confúcio considerou muitos princípios religiosos como supersticiosos. Ignorou, por exemplo, o direito de governar reivindicado pelos aristocratas, que se julgavam descendentes de ancestrais divinos. [17], [18].

 

·       No século I da era cristã, na Palestina, como veremos nas diversas mensagens seguintes, Jesus anunciou uma religião totalmente despida das velhas tradições. Infelizmente, ao longo dos anos, a mensagem original de Jesus foi deturpada e acabou se misturando com crendices e mitos, ficando eclipsada. Mas o que ele fez, e que queremos resgatar, foi mostrar um princípio religioso verdadeiro, coerente, sem mitos e libertador. Por isso, ele disse: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue nunca andará na escuridão, mas terá a luz da vida.” [19].

 

·       No século VI, houve a Reforma protestante procurando retirar o cristianismo do meio de tantos absurdos. [20]. Nessa época, iniciou um avanço muito grande da ciência mostrando grandes verdades em contraste com muitas crenças religiosas. Foi provado, por exemplo, contrariando as crenças da Igreja, que a Terra não era o centro do Universo, tampouco do Sistema Solar. O Sol, sem nenhuma ligação com o Hélios grego, deseclipsado das crenças religiosas, foi visto claramente como o principal astro dessa região do Universo. [21]. Entretanto, o cristianismo continuou mergulhado na escuridão.

 

É claro que nem todos foram totalmente corretos em tudo o que pensaram e disseram. Tales, por exemplo, pensou que a água era a origem de todas as coisas, o que não é verdade. [22]. Porém, eles deram passos importantes para o amadurecimento da humanidade. Hoje, mesmo com muito bom senso, com certeza, falharemos em muitas coisas, afinal somos seres humanos e não deuses. Mas precisamos continuar buscando as verdades onde elas são acessíveis, sem tentar querer desvendar mistérios profundos com meras especulações.

 

Fantasias, ilusões, enganos, hipóteses, boatos e mitos fazem parte da vida humana e sempre influenciaram as nossas crenças, que se tornaram populares e caíram na tradição dos povos. Tudo isso é um fenômeno real. Mas não podemos ficar escravos de tudo que é implantado no senso comum. Precisamos usar o bom senso para colher e preservar o que for bom e descartar o que for mal. Não podemos aceitar uma coisa só porque a maioria aceita. Precisamos nos libertar da salada religiosa onde o mundo se meteu para ver o mundo com outros olhos: os olhos do bom senso.

 

Deus nos criou com a faculdade de discernir o que é verdadeiro e o que é falso. Ele nos dá sabedoria para entendermos o que realmente é importante e o que não passa de mera religiosidade. Essa é a ferramenta divina capaz de conduzir a humanidade, cada vez mais, para o lado correto. As explicações religiosas nem sempre são as respostas verdadeiras. Para conseguir filtrar todas as coisas, precisamos usar o bom senso.

 

Muitas vezes a religião provoca um eclipse em nossas vidas, e ficamos mergulhados numa escuridão. Mas estamos aqui, procurando mostrar verdades que iluminam. Vamos juntos trocar idéias a fim de podermos crescer com maturidade. A partir de agora, vamos mergulhar na história religiosa dos povos e na história da igreja e comparar tudo com o que Jesus ensinou. Viajaremos no tempo, pelos diversos continentes, explorando a religiosidade das diversas culturas. Descobriremos muitas coisas interessantes e curiosas. Seja sensato. Nessa viagem, você vai se emocionar. Poderá ficar chocado, aliviado, indignado, cheio de ódio e preconceito, triste, frustrado... Digo e repito: use o seu bom senso para descobrir as verdades que libertam da escuridão, das grades e dos fardos religiosos. Seu eclipse religioso vai terminar. Uma nova luz vai brilhar em seu caminho. Você verá uma estrada nova e perfeita. O ódio, o preconceito e tantas outras coisas ruins serão descartados com seus pesados fardos. Você vai ficar aliviado, animado, feliz, em paz, cheio de esperança, amor...

 

O que disse o profeta Isaías, confirmado por Jesus, não pode se apagar: “O povo que vive na escuridão verá uma forte luz! E a luz brilhará sobre os que vivem na região escura da morte!” [23].

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br



[13] Gêneses 11.27-32; 12.1-5. New King James Version.

[14] Josué 24, 2,14-15. New King James Version.

[23]. Mateus 4.16, NTLH. Confira Isaías 9.1-2. Ver New King James Version.